O Evangelho Segundo o Espiritismo

Wikisource, a biblioteca livre
Ir para: navegação, pesquisa
O Evangelho Segundo o Espiritismo
por Allan Kardec
O Evangelho segundo o Espiritismo é uma obra de Allan Kardec que avalia os evangelhos canônicos sob a óptica da Doutrina Espírita, tratando com atenção especial a aplicação dos princípios da moral cristã e de questões de ordem religiosa como a prática da adoração, da prece e da caridade.
Heckert GNU white.svg Este trabalho foi publicado nos termos da GNU Free Documentation License. Blank.png
Existe na Wikipédia um artigo relacionado com O Evangelho segundo o Espiritismo.

Índice[editar]

Prefácio
Introdução
I. Objetivo desta obra
II. Autoridade da Doutrina espírita. Controle universal do ensino dos Espíritos
III. Notícias históricas
IV. Sócrates e platão, precursores da idéia cristã e do Espiritismo
Resumo da doutrina de sócrates e platão
Capítulo I - Não vim destruir a lei
As três revelações : Moisés
Cristo
Espiritismo
Aliança da Ciência com a Religião
Instruções dos espíritos - A nova era
Capítulo II - Meu reino não é deste mundo
A vida futura
A realeza de Jesus
O ponto de vista
Instruções dos espíritos - Uma realeza terrena
Capítulo III - Há muitas moradas na casa de meu Pai
Diferentes estados da alma na erraticidade
Diferentes categorias de mundos habitados
Destinação da Terra . Causas das misérias humanas
Instruções dos espíritos - Mundos superiores e mundos inferiores
Mundos de expiações e de provas
Mundos regeneradores
Progressão dos mundos
Capítulo IV - Ninguém poderá ver o reino de Deus se não nascer de novo
Ressurreição e Reencarnação
A reencarnação fortalece os laços de família, ao passo que a unicidade da existência os rompe
Instruções dos espíritos - Limites da encarnação
Necessidade da encarnação
Capítulo V - Bem-aventurados os aflitos
Justiça das aflições
Causas atuais das aflições
Causas anteriores das aflições
Esquecimento do passado
Motivos de resignação
O suicídio e a loucura
Instruções dos espíritos - Bem e mal sofrer
O mal e o remédio
A felicidade não é deste mundo
Perda de pessoas amadas. Mortes prematuras
Se fosse um homem de bem teria morrido
Os tormentos voluntários
A desgraça real
A melancolia
Provas voluntárias. O verdadeiro cilício
Dever-se-á pôr termo às provas do próximo?
Será lícito abreviar a vida de um doente que sofra sem esperança de cura?
Sacrifício da própria vida
Proveito dos sofrimentos para outrem
Capítulo VI - O Cristo consolador
O jugo leve
Consolador prometido
Instruções dos espíritos - Advento do Espírito de Verdade
Capítulo VII - Bem-aventurados os pobres de espírito
O que se deve entender por pobres de espírito
Aquele que se eleva será rebaixado
Mistérios ocultos aos doutos e aos prudentes
Instruções dos espíritos - O orgulho e a humildade
Missão do homem inteligente na Terra
Capítulo VIII - Bem-aventurados os que têm puro o coração
Simplicidade e pureza de coração
Pecado por pensamento. Adultério
Verdadeira pureza. Mãos não lavadas
Escândalos. Se a vossa mão é motivo de escândalo, cortai-a
Instruções dos espíritos - Deixai que venham a mim as criancinhas
Bem-aventurados os que têm fechados os olhos
Capítulo IX - Bem-aventurados os que são brandos e pacíficos
Injúrias e violências
Instruções dos espíritos - A afabilidade e a doçura
A paciência
Obediência e resignação
A cólera
Capítulo X - Bem-aventurados os que são misericordiosos
Perdoai, para que Deus vos Perdoe
Reconciliação com os adversários
O sacrifício mais agradável a Deus
O argueiro e a trave no Olho
Não julgueis para não serdes julgados. Atire a primeira pedra aquele que estiver sem pecado
Instruções dos Espíritos: Perdão das ofensas
A Indulgência
É permitido repreender os outros, notar as imperfeições de outrem, divulgar o mal de outrem?
Capítulo XI - Amar o próximo como a si mesmo
O maior mandamento. Fazermos aos outros o que queiramos que os outros nos façam. Parábola dos credores e dos devedores.
Dai a César o que é de César
Instruções dos espíritos - A lei de amor
O egoísmo
A fé e a caridade
Caridade com os criminosos
Deve-se expor a vida por um malfeitor?
Capítulo XII - Amai os vossos inimigos
Retribuir o mal com o bem
Os inimigos desencarnados
Se alguém vos bater na face direita, apresentai-lhe também a outra
Instruções dos espíritos - A vingança
O ódio
O duelo
Capítulo XIII - Não saiba a vossa mão esquerda o que dê a vossa mão direita
Fazer o bem sem ostentação
Os infortúnios ocultos
Óbolo da viúva
Convidar os pobres e estropiados. Dar sem esperar retribuição
Instruções dos espíritos - A caridade material e a caridade moral
A beneficência
A piedade
Os órfãos
Benefícios pagos com a ingratidão
Beneficência exclusiva
Capítulo XIV - Honra a vosso pai e a vossa mãe
Piedade filial
Quem é minha mãe e quem são meus irmãos?
Parentela corporal e a parentela espiritual
Instruções dos espíritos - A ingratidão dos filhos e os laços de família
Capítulo XV - Fora da caridade não há salvação
O de que precisa o Espírito para se salvar. Parábola do bom samaritano
O maior mandamento
Necessidade da caridade segundo S. Paulo
Fora da igreja não ha salvação. Fora da verdade não ha salvação
Instruções dos espíritos - Fora da caridade não há salvação
Capítulo XVI - Não se pode servir a Deus e a mamon
Salvação dos ricos
Preservar-se da avareza
Jesus em casa de Zaqueu
Parábola do mau rico
Parábola dos talentos
Utilidade providencial da riqueza. Provas da riqueza e da miséria
Desigualdade das riquezas
Instruções dos espíritos - A verdadeira propriedade
Emprego da riqueza
Desprendimento dos bens terrenos
Transmissão da riqueza
Capítulo XVII - Sede perfeitos
Caracteres da perfeição
O homem de bem
Os bons espíritas
Parábola do semeador
Instruções dos espíritos - O dever
A virtude
Os superiores e os inferiores
O homem no mundo
Cuidai do corpo e do espírito
Capítulo XVIII - Muitos os chamados, poucos os escolhidos
Parábola do festim de bodas
A porta estreita
Nem todos os que dizem: Senhor! Senhor! entrarão no reino dos céus
Muito se pedirá àquele que muito recebeu
Instruções dos espíritos - Dar-se-á àquele que tem
Pelas suas obras é que se reconhece o cristão
Capítulo XIX - A fé transporta montanhas
Poder da fé
A fé religiosa. Condição da fé inabalável
Parábola da figueira que secou
Instruções dos espíritos - Fé, mãe da esperança e da caridade
A fé humana e a divina
Capítulo XX - Os trabalhadores da última hora
Instruções dos espíritos - Os últimos serão os primeiros
Missão dos espíritas
Os obreiros do Senhor
Capítulo XXI - Haverá falsos cristos e falsos profetas
Conhece-se a árvore pelo fruto
Missão dos profetas
Prodígios dos falsos profetas
Não creais em todos os Espíritos
Instruções dos espíritos - Os falsos profetas
Caracteres do verdadeiro profeta
Os falsos profetas da erraticidade
Jeremias e os falsos profetas
Capítulo XXII - Não separar o que deus juntou
Indissolubilidade do casamento
O divórcio
Capítulo XXIII - Estranha moral
Odiar os pais
Abandonar pai, mãe e filhos
Deixai aos mortos o cuidado de enterrar seus mortos
Não vim trazer a paz, mas a divisão
Capítulo XXIV - Não ponhais a candeia debaixo do alqueire
Candeia sob o alqueire. Porque fala Jesus por parábolas
Não vades ter com os gentios
Não sãos os que gozam saúde que precisam de médico
A coragem da fé
Carregar a cruz. Quem quiser salvar a vida, perdê-la-á
Capítulo XXV - Buscai e achareis
Ajuda-te a ti mesmo, que o céu te ajudará
Observai os pássaros do céu
Não vos afadigueis pela posse do ouro
Capítulo XXVI - Dai gratuitamente o que gratuitamente recebestes
Dom de Curar
Preces Pagas
Mercadores expulsos do templo
Mediunidade gratuita
Capítulo XXVII - Pedi e obtereis
Qualidades da prece
Eficácia da prece
Ação da prece. Transmissão do pensamento
Preces inteligíveis
Da prece pelos mortos e pelos Espíritos sofredores
Instruções dos espíritos - Maneira de orar
Felicidade que a prece proporciona
Capítulo XXVIII - Coletânea de preces espíritas
Preâmbulo
I - Preces gerais
Oração dominical
Reuniões espíritas
Para os médiuns
II - Preces por aquele mesmo que ora
Aos anjos guardiães e aos Espíritos protetores
Para afastar os maus espíritos
Para pedir a corrigenda der um defeito
Para pedir força de resistir a uma tentação
Ação de graças pela vitória alcançada sobre uma tentação
Para pedir um conselho
Nas aflições da vida
Ação de graças por um favor obtido
Ato de submissão e de resignação
Num perigo iminente
Ação de graças por haver escapado a um perigo
À hora de dormir
Prevendo próxima a morte
III - Preces por outrem
Por alguém que esteja em aflição
Ação de graças por um beneficio concedido a outrem
Pelos nossos inimigos e pelos que nos querem mal
Ação de graças pelo bem concedido aos nossos inimigos
Pelos inimigos do Espiritismo - Por uma criança que acaba de nascer
Por um agonizante
IV - Preces pelos que já não são da Terra
Por alguém que acaba de morrer
Pelas pessoas a quem tivemos afeição
Pelas almas sofredoras que pedem preces
Por um inimigo que morreu
Por um criminoso
Por um suicida
Pelos espíritos penitentes
Pelos Espíritos endurecidos
V - Preces pelos doentes e pelos obsidiados
Pelos doentes
Pelos obsidiados