Página:Os Fidalgos da Casa Mourisca.djvu/191

Wikisource, a biblioteca livre
Ir para: navegação, pesquisa


tracto adquirida na educação da cidade, e até a desaffectada reserva com que lhe tinha acolhido o galanteio.

As reflexões de Jorge contra aquelles amores, a perspectiva das repugnancias de familia, dos obstaculos a vencer, dos preconceitos e paixões com que luctar, longe de extinguirem a chamma em que elle procurava abrazar-se, antes mais a activavam.

A ideia de um amor entre dois corações jovens, amor constante em despeito do antagonismo, das animadversões e dos odios das familias; esse eterno e poetico thema de tantas obras de arte, era sympathico á phantasia de Mauricio, que, seduzido por ella, chegou a convencer-se de que estava destinado a ser mais um exemplo do caso; estimulo este sufficiente para o apaixonar.

Jorge estranhou-lhe o ar pensativo, mas não o interrogou.

A baroneza, usando dos privilegios de mulher nova e elegante, costumada a não refrear a sua curiosidade feminina, interpellou-o directamente:

— Não voltaste muito amavel do teu passeio matinal, Mauricio. Que foi isso?

— Perdoe-me, prima. Isto é uma das muitas mudanças de colorido que, sem que se saiba porque, se opéra no humor de uma pessoa.

— Hum! Não andará ahi influencia do coração?

Mauricio soltou um meio riso de descrente, respondendo:

— O coração! O meu coração é modesto. Não aspira a dominar. Nunca lhe conheci essas tendencias.

— N'isso mesmo que dizes d'elle se está a perceber que ha espinho lá dentro.

— A prima ha de perdoar-me a franqueza; mas já vejo que tem o defeito do seu sexo, que é não poder imaginar que haja sobre o caracter e a boa ou má disposição de um homem outra influencia que não seja a de uma mulher.

— E quando os homens se occupam tão pouco de coisas graves, como... certos que nós conhecemos, a lei não deixa de ser verdadeira.