Página:Os Fidalgos da Casa Mourisca.djvu/199

Wikisource, a biblioteca livre
Ir para: navegação, pesquisa


ajuda; o insulto é facil para quem não precisa de se abaixar muito para a apanhar.

Os primos, ainda que valentes e atrevidos, ouviram com excepcional prudencia a correcção que lhes infligira as palavras de Jorge e limitaram-se a acompanhal-o de risadas quando elle se retirou.

Mauricio estava já sentindo remorsos do que dissera ao irmão. Este adquirira sobre elle o seu antigo ascendente.

— Parece-me que foi bem infame o que fizemos aqui — disse Mauricio, arrependido.

— Sim? Parece-te isso? Pois vae pedir perdão ao mano — tornou-lhe o padre, rindo com desdem.

— Parvo! — exclamou o doutor — Querem vêr que engoliu a arara?!

— Deixa lá, então que queres? a innocencia tem d'estas canduras.

— Mas vocês ainda acreditam?...

— Ora adeus, adeus! Vae-te deitar e vê se nos arranjas umas indulgencias do mano Jorge.

E os primos deixaram Mauricio, e partiram zombando da candura d'elle.

Mauricio voltou a casa desgostoso de si e com o espirito fluctuando entre o remorso e a suspeita.