Telegrama de Euclides da Cunha de 30 de setembro de 1897 (I)

Wikisource, a biblioteca livre
Ir para: navegação, pesquisa
(Telegrama de Euclides da Cunha de 30 de setembro de 1897)
por Euclides da Cunha

Monte Santo, 30 setembro

Os jagunços estão acoutados no último reduto, a igreja nova.

Fizeram dezoito tentativas para tirar água no rio Vasa Barris, sendo repelidos sempre.

Toda a noite há fuzilaria forte.

Calcula-se em cerca de 150 o número de mortos nos últimos dias, além de cinqüenta prisioneiros.

As baixas nossas são relativamente pequenas.

Não durará três dias a luta.

Continua o incêndio lavrando em diversos pontos da cidade.

Cercam a igreja os batalhões 34º, 38º, 24º, 37º, 25º e os de polícia do Amazonas e do Pará.

Foi ferido, sem gravidade, o major-fiscal José Pedro da Silva, do batalhão paulista.

Aguardamos nestes dois dias o termo da luta.

Acaba de chegar o general Carlos Eugênio com as forças sob seu comando