- Pero Martiins, ora por caridade

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
- Pero Martiins, ora por caridade
por Vasco Gil


- Pero Martiins, ora por caridade,
vós, que vos teedes por sabedor,
dizede-mi quem é comendador
eno Espital, ora da escassidade,
ou na fraqueza, ou quem no forniz,
ou quem em quanto mal se faz e diz.
Se o sabedes, dizede verdade.
  
- Pois, Dom Vaasc', um pouco m'ascoitade:
os que mal fazem e dizem som mil:
e Roi Martiins ena falsidade,
e ena escasseza é o seu priol.
Nom vos pod'hom'esto partir melhor;
se mais quiserdes, por mais preguntade.
  
- Pero Martiins, mui bem respondestes,
pero sabia-m'eu esto per mim,
ca todos três eram senhores i
das comendas - comendadores estes!
E partistes-mi-o tam bem, que m'é mal;
mais ar quer'ora de vós saber al:
que mi digades de quen'o aprendestes.
  
- Vós, Dom Vaasc', ora me cometestes
doutros preitos; des i, ar dig'assi:
nom mi deu algo, pero lho pedi,
o priol; e fodi e vós fodestes
com Roi Gil; e meus preitos talhei
com Frei Rodrig'e mentiu-mi-os; e sei,
per aquest', a sa fazenda daquestes.
  
- Pero Martiins, respondestes tam bem
em tod'esto, que fostes i com sem
e trobador; e cuid'eu que leestes.
  
- [De] vós, Dom Vaasco, tod'esso m'é bem;
hei sis'e sei trobar e leo bem;
mais que tárdi que mi o vós entendestes!