A Deus vão pensamento, a Deus cuidado

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Chora o poeta de huma vez perdidas estas esperanças.
por Gregório de Matos
Poema agrupado posteriormente e publicado em Crônica do Viver Baiano SeiscentistaA Cidade e seus PícarosÂngela

A Deus vão pensamento, a Deus cuidado,
Que eu te mando de casa despedido,
Porque sendo de uns olhos bem nascido
Foste com desapego mai criado.

Nasceste de um acaso não pensado,
E cresceu-te um olhar pouco advertido,
Criou-te o esperar de um entendido.
E às mãos morreste de um desesperado:

Ícaro foste, que atrevidamente
Te rernontaste à esfera da luz pura,
De donde te arroiou teu vôo ardente.

Fiar no sol, é irracional loucura,
Porque nesse brandão dos céus luzente
Falta a razão, se sobra a formosura.