A Menina do Narizinho Arrebitado/II

Wikisource, a biblioteca livre
< A Menina do Narizinho Arrebitado
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
A enfermaria
por Monteiro Lobato


dos doentes. Os dois bagres de barriga amarella estavam numa das camas, embrulhados em tres cobertores, muito pallidos e suando em bicas. Escamado tomou-lhes o pulso e viu que tinham febre alta.

— Queira Deus não batam as botas!... disse elle para Narizinho. O doutor Caramujo é um grande medico mas os doentes d'elle morrem todos... Não tem sorte nenhuma...

Mais adeante, em outra cama, gemia o pae-barata, ferido mortalmente pela rá verde.

— Como vae este freguez? perguntou o principe.

— Muito mal, respondeu Caramujo. Quebrou cinco pernas, rasgou uma asa, e está todo arrebentado por dentro. Dei-lhe as pilulas de mestre Escaravelho mas não tenho esperanças de salval-o.

— Já se confessou? indagou o principe?

A Menina do Narizinho Arrebitado (pag 15. crop).png

— Confessou-se agorinha mesmo e vae commungar neste instante. Ahi vem Frei Louva-a-Deos com os sacramentos.

Nem bem pronunciara o medico taes palavras, eis que entra Frei Louva-a-Deos, acompanhado dum mosquito coroinha. Era tão triste a scena que Narizinho sentiu vontade de chorar. O frade animou o doente, falou da belleza do céo e offereceu-lhe a hostia sagrada : uma escamazinha de peixe. Nem podia sentar-se na cama, o pobre. Foi preciso que as irmás enfermeiras
A Menina do Narizinho Arrebitado (pag 16. crop).png

o erguessem pelos hombros e ficassem alli a sustel-o. O baratão moribundo enguliu a hostia, fez uma careta, engasgou, tossiu e morreu.

— Antes assim, disse o medico. Si sarasse, que triste vida seria a sua, só no mundo, sem mulher, nem filhos...

Todos concordaram, enxugando cada um a sua lagrima. O principe, depois de ordenar o enterro, perguntou a mestre Caramujo:

— E os outros doentes, doutor?

A Menina do Narizinho Arrebitado (pag 16. crop) - 2.png

— Os outros?... os outros morreram, respondeu elle um tanto enfiado.

Escamado piscou para a menina como quem diz: "Vê? ninguem escapa das mãos delle..." e convidou-a a retirar-se. Antes de sahir, porem, Narizinho espiou pela janella e viu a rã assassina pendurada pelo pescoço a balançar-se no galho dum espinheiro. Teve dó, mas lembrando-se do pae-barata moribundo, disse comsigo: — Bem feito!