Alice no País das Maravilhas/Prefácio

Wikisource, a biblioteca livre
< Alice no País das Maravilhas
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Alice no País das Maravilhas
por Lewis Carroll


Foi numa tarde dourada
Deslizando com muita alegria
Dois bracinhos desajeitados
Remam fazendo folia
Maõzinhas impotentes que comandam
A nossa pretensa fantasia

Ah, trio cruel que em tal momento
Sob o impacto das estações do sonho
Pede um fraco sorriso ou alento
Que mal pode agitar a pena ao vento
Mas de que serve a voz fraca e sentida
Contra a força de três línguas unidas?

A primeira imperiosa se adianta
Cuja força exige o início
Em tons mais suaves a segunda espera
"Não tem senso nisto."
E a terceira interrompe o ato
Não mais que a cada minuto.

Ocultos, num silêncio repentino
Na fantasia que perseguem
O sonho de criança para terras distantes
Perseguindo o selvagem e alegre
Em conversa amiga com animais ou pássaros
Vivendo meias verdades adrede.

E como nunca antes história vista
Secam os poços da fantasia
E aquele que se cansa, que pouco se esforçou
Para apresentar o assunto do dia
"O descanso na próxima vez-" "É a próxima vez!"
Diz uma voz com grande alegria

Assim nasceu o País das Maravilhas
Bem devagar, bem lentamente
Sendo todos os episódios gerados
E terminados, ininterruptamente.
E para casa vamos, cantando felizes
Sob o sol garboso e quente.

Alice! Ouça esta história infantil
Que com suaves contornos são criados
Guarde-a no campo mágico da memória
Onde todos os sonhos de criança são lançados
Que como flores desfeitas do peregrino
Em uma terra distante foram gerados.