Ao Padre Vigário a flor

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Ao mesmo vigario galantea o poeta fazendo chistes de hum mimo, que lhe mandára brites huma graciosa comadre sua, entre o qual vinha para o poeta hum cajú.
por Gregório de Matos
Poema agrupado posteriormente e publicado em Crônica do Viver Baiano SeiscentistaOs Homens BonsA Nossa Sé da Bahia

1Ao Padre Vigário a flor,
ao pobre Doutor o fruito,
há nisto, que dizer, muito,
e dirá muito o Doutor:
tenho por grande favor,
que a título de compadre
deis, Brites, a flor ao Padre:
mas dando-me o fruito a mim,
o que se me deu assim,
é força, que mais me quadre.
  
2Quadra-me, que o fruito influa,
que uma flor, que eu não queria,
Se dê, a quem principia
e o fruito, a quem continua:
se o fruito faz, que se argua,
que eu sou o dono da planta,
a flor seja tanto, ou quanta,
sempre o dono a quer perdida,
porque pelo chão caída
faz, que o fruito se adianta.
  
3Quem é do fruito Senhor
sabe as Leis d'agricultura,
que todo o fruito assegura,
e despreza toda a flor:
e inda que chamam favor
dar a sua flor a Dama
àquele, por quem se inflama
eu entendo de outro modo,
e ao fruito mais me acomodo,
que honra, e proveito se chama.
  
4Porque na testa vos entre
o mistério, que isto encerra,
quem me dá o fruito da terra,
me pode dar do seu ventre:
e porque se reconcentre
este vaticínio imundo
no vosso peito fecundo,
digo qual bem augureiro,
que quem me deu o primeiro,
me pode dar o segundo.
  
5O Padre andou muito tolo
em vos estimar a flor,
porque era folha o favor,
e o meu todo era miolo:
com meu favor me consolo
de sorte, e tão por inteiro,
que afirmou por derradeiro,
que um favor, e outro suposto,
eu levo de vós o gosto,
e o Padre vigário o cheiro.
  
6Eu do Vigário zombei,
porque vejo, que levou
uma flor, que se murchou,
e eu o fruito vos papei:
este exemplo lhe gravei,
y este desengaño doy
dela dicha, em que me estoy
cantando a su flor ansi,
que ayer maravilla fui,
y oy sombra mia aun no soy.