Espumas Flutuantes (1913)/As Três Irmãs do Poeta

Wikisource, a biblioteca livre
(Redirecionado de As Três Irmãs do Poeta)
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
As Três Irmãs do Poeta
por Eugène Berthoud, traduzido por Castro Alves
Poema publicado em Espumas Flutuantes (1913).
AS TRES IRMÃS DO POETA


(Traduzido de E. Berthoud)


É noite! as sombras correm nebulosas.
Vão tres pallidas virgens silenciosas
Atravez da procella irrequieta.
Vão três pallidas virgens... vão sombrias
Rindo collar n′um beijo as bocas frias...

Na fronte scimadora do — Poeta —,

— «Saude, irmão, eu sou a Indifferença.
Sou eu quem te sepulta a idóa immensa,
Quem no teu nome a escuridão projecta...
Fui eu que te vesti do meu sudario...
Que vais fazer tão triste e solitário?..»

— «Eu lactarei!» — responde-lhe o Poeta.

— «Saude, meu irmão! Eu sou a Fome.
Sou eu quem o teu negro pão consome...
O teu misero pão, misero athleta!
Hoje, amanhã, depois... depois (qu′importa?!)
Virei sempre sentar-me á tua porta...»

— «Eu soffrerei!» — responde-lhe o Poeta.

— «Saude, meu irmão! Eu sou a Morte.
Suspende em meio o hymno augusto e forte.
Marquei-te a fronte, misero propheta!
Volve ao nada! Não sentes neste enleio
Teu cantico gelar-se no meu seio?»

— «Eu cantarei no céo» — diz-lhe o Poeta!

S. Paulo, 25 de Agosto de 1868.