Auto da Barca do Inferno/O Parvo

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Auto da Barca do Inferno
por Gil Vicente


<poem> Vem Joane, o Parvo[1], e diz ao Arrais do Inferno: Hou daquesta[2]!

Dia.

Quem é?

Par.

Eu sô.

É esta a naviarra[3] nossa?

Dia. De quem?

Par.

Dos tolos?

Dia.

Vossa.

Entra!

Par.

De pulo ou de voo?

Hou! Pesar de meu avô[4]! Soma[5], vim adoecer e fui má-hora morrer, e nela, pera mi só[6].

Dia. De que morreste?

Par.

De quê?

Samicas[7] de caganeira.

Dia. De quê?

Par.

De caga merdeira!

Má rabugem[8] que te dê!

Dia. Entra! Põe aqui o pé!

Par. Houlá! Nom tombe o zambuco[9]!

Dia. Entra, tolaço eunuco[10], que se nos vai a maré!

Par. Aguardai, aguardai, houlá! E onde havemos nós d'ir ter[11]?

Dia. Ao porto de Lúcifer.

Par. Hã-ã-ã...

Dia.

Ò[12] Inferno! Entra cá!

Par. Ò Inferno?... Eramá[13]... Hiu! Hiu! Barca do cornudo. Pêro Vinagre, beiçudo, rachador d'Alverca[14], huhá!

Sapateiro da Candosa[15]! Antrecosto[16] de carrapato! Hiu! Hiu! Caga no sapato, filho da grande aleivosa[17]! Tua mulher é tinhosa[18] e há-de parir um sapo chantado[19] no guardanapo! Neto de cagarrinhosa[20]!

Furta cebolas! Hiu! Hiu! Excomungado nas erguejas! Burrela[21], cornudo sejas! Toma o pão que te caiu! A mulher que te fugiu per'a Ilha da Madeira! Cornudo atá[22] mangueira, toma o pão que te caiu[23]!

Hiu! Hiu! Lanço-te űa pulha[24]! Dê-dê! Pica nàquela! Hump! Hump! Caga na vela! Hio, cabeça de grulha[25]! Perna de cigarra velha, caganita de coelha, pelourinho da Pampulha[26]! Mija n'agulha, mija n'agulha!

Chega o Parvo ao batel do Anjo e diz: Hou da barca!

Anj.

Que me queres?

Par. Queres-me passar além?

Anj. Quem és tu?

Par.

Samica alguém.

Anj. Tu passarás, se quiseres; porque em todos teus fazeres per malícia nom erraste. Tua simpreza t'abaste[27] pera gozar dos prazeres.

Espera entanto per i[28]; veremos se vem alguém, merecedor de tal bem, que deva de entrar aqui.

Vocabulário

  1. Joane é uma forma antiga de João. Parvo significava inicialmente "pequeno" e depois foi utilizado para "pequena inteligência"
  2. desta (barca)
  3. barcaça
  4. com mil demônios
  5. resumindo
  6. solitariamente
  7. talvez
  8. sarna
  9. barco (de má qualidade)
  10. eunuco tolo
  11. dirigir-nos
  12. ao
  13. que hora má
  14. aldeia do Ribatejo
  15. distrito de Coimbra
  16. costas
  17. falsa, traidora
  18. posto
  19. medrosa
  20. expressão que indica que as mulheres dacusadas de menos honestidades em cerimônias tinham que montar um brurro
  21. até
  22. outra forma seria "o demo que te pario!"
  23. injúria
  24. tagarela
  25. bairro de Lisboa
  26. tua simplicidade seja suficiente
  27. para ir