Bem-vindo seja, Senhor, Vossa llustríssima

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Ao mesmo illustrissimo senhor chegando de visita a Villa de S. Francisco, onde ò esperavam muytos clerigos para tomarem ordens.
por Gregório de Matos
Poema agrupado posteriormente e publicado em Crônica do Viver Baiano SeiscentistaOs Homens BonsA Nossa Sé da Bahia

Bem-vindo seja, Senhor, Vossa llustríssima
A este sítio famoso do Seráfico,
Onde nesta canção de verso alcaico
Ouça a ovelha balar sua amantíssima
  
Aqui verá correr água claríssima
Do grande Seregipe rio antártico,
Onde para tomar o eclesiástico
Caráter Santo há gente prestantíssima.
  
Aqui de Pedro a rede celebérrima
Cuido, que fez os lanços hiperbólicos,
Que na Bíblia se lêem Santa integérrima.
  
Porque estes Pescadores tão católicos
Nunca uma pesca fazem tão pulquérrima,
Que os buchos nos não deixem melancólicos.