Contos Tradicionaes do Povo Portuguez/A aguia e a coruja

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Contos Tradicionaes do Povo Portuguez por Teófilo Braga
244. A aguia e a coruja



244. A AGUIA E A CORUJA

A coruja encontrou a aguia, e disse-lhe:

Oh aguia, se vires uns passarinhos muito lindos em um ninho, com uns biquinhos muito bem feitos, olha lá não m’os comas, que são os meus filhos.

A aguia prometteu que os não comia; foi voando e encontrou n’uma arvore um ninho de coruja, e comeu as corujinhas. Quando a coruja chegou e viu que lhe tinham comido os filhos, foi ter com a aguia, muito afflicta:

— Oh aguia, tu foste-me falsa, porque prometteste que não me comias os meus filhinhos, e mataste-m’os todos!

Diz a aguia:

— Eu encontrei umas corujas pequenas n’um ninho, todas depennadas, sem bico, e com os olhos tapados, e comi-as; e como tu me disseste que os teus filhos eram muito lindos e tinham os biquinhos bem feitos entendi que não eram esses.

— Pois eram esses mesmos, disse a coruja.

— Pois então queixa-te de ti, que é que me enganaste com a tua cegueira.

(Porto.)