Contos Tradicionaes do Povo Portuguez/Dá-me o meu meio tostão

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Contos Tradicionaes do Povo Portuguez por Teófilo Braga
86. Dá-me o meu meio tostão



86. DÁ-ME O MEU MEIO TOSTÃO

Um compadre perseguia outro por uma divida; todas as vezes que lhe passava pela porta dizia:

— Dá-me o meu meio tostão.

O devedor, vexado, disse para a mulher que se ia fingir morto, e que ella o carpisse muito, para vêr se quando o compadre passasse lhe perdoava pela sua alma o meio tostão. Assim fez; a mulher pranteou e depenou-se, mas o compadre veiu ao acompanhamento do enterro, e quando o corpo se depositou na egreja deixou-se ficar escondido debaixo da eça. De noite os ladrões entraram na egreja, e como viram a luz das tochas allumiando o morto, entenderam que ali era logar seguro para repartirem o dinheiro e fazerem os quinhões do que tinham roubado. Quando estavam n'isto, desavieram-se, porque todos queriam umas certas joias que o capitão dos ladrões reservava para si. Faziam muita bulha, mas o que se fingia morto na eça, e o compadre que estava escondido, passaram sustos medonhos e não se mechiam. Por fim disse o capitão dos ladrões:

— Eu cá não faço questão d'este quinhão; mas quem o quizer hade ir espetar esta faca no morto que está ali n'aquella eça.

Dizia um: «Vou eu»! Outro tambem queria ir; mas o que se fingia defunto, sem saber como se havia de vêr livre da situação desesperada, senta-se no caixão, e diz e com terror:

Acudam-me aqui os defuntos
E venham já todos juntos.

Os ladrões fugiram todos espavoridos e deixaram o dinheiro ao pé da eça; o compadre que se fingia morto desceu para baixo, e começou a ajuntar o dinheiro espalhado pelo chão. Quando estava n'isto sáe-lhe debaixo da eça o crédor, que nem á borda da cova o largava, e começa a repetir-lhe sem parar:

— Dá-me o meu meio tostão! Dá-me o meu meio tostão.

E não se tirava d'isto. Os ladrões por fim envergonharam-se da sua covardia, e mandaram um mais valente á egreja vêr o que por lá havia, e se podiam ir buscar o seu dinheiro. O ladrão veiu surrateiro, escondeu-se detraz de uma porta a escutar, e ouvia só:

— Dá-me o meu meio tostão!

Desatou a fugir, e foi dizer aos companheiros:

— Está tudo perdido; andam lá tantos defuntos, que não cabe meio tostão a cada um. Os ladrões conformaram-se com esta desgraça, e o compadre assim é que pagou a sua divida e ficou rico.

(Porto.)





Notas[editar]

86. Dá-me o meu meio tostão. — Acha-se esta facecia nos Contos sicilianos, colligidos por G. Pittré, sob o nome de Giufa. (Rev. des Deux Mondes, de 1875, 15 de Agosto, p. 833.)