Contos Tradicionaes do Povo Portuguez/O tinhoso, o ranhoso e o sarnoso

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Contos Tradicionaes do Povo Portuguez por Teófilo Braga
85. O tinhoso, o ranhoso e o sarnoso



85. O TINHOSO, O RANHOSO
E O SARNOSO

Era uma vez tres irmãos, um era tinhoso, o outro ranhoso, e o ultimo sarnoso, mas como todos se riam dos seus defeitos, elles bem procuravam encobril-os. Tambem nunca deixavam escapar occasião de darem largas á sua vontade; o que era tinhoso viu passar um barco no rio, e levantou a mão ao ár, dizendo:

— Deita cá a barca; deita cá a barca.

E n'isto ia com a mão á cabeça e dava uma coçadella. O irmão, que era ranhoso, passava as costas da mão pelo nariz, e dizia:

— Atravessa; atravessa.

O que estava cheio de sarna, pôz-se a pular e a saracotear-se, e dizia:

— Inda bem, inda bem,
Que a barca já lá vem.

(Porto.)





Variante

O que era tinhoso, levava a mão á altura da cabeça, e coçando como quem não quer a coisa, dizia:

— Lá vem um navio.

Dizia o que era ranhoso, assoando-se ás mangas:

— Tanto se me dá que venha por aqui, como por ali.

(Ilha de S. Miguel.)