Corpe Ca Tem Culpa

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Corpe Ca Tem Culpa(Corpo Não Tem Culpa)
por Sérgio Frusoni


Texto em crioulo cabo-verdiano[editar]

         Nhô Ambrôse ma nha Ludvina ─ ês ainda na quadra d'trinta ─ tá andá sô na guerra e bem cabá um dia diant d'juiz ta pdi separaçom. Juiz dspôs d'têr tentóde apaziguás, cabá pa mandás pa casa cma dois per-feite extrónhe.
         Embóra ês ca tivêsse ôtre remêde senão continuá ta vivê na mésma casa, ês dois tratá lôg d'tma tude quês medida q'pôdêsse vitá ês incontrá companhêr durante dia, ma d'nôte ês éra obrigóde detá na mésma cama, embóra cada qual na sê banda.
         Côsa táva nêss pê havia já bastante têmpe, quande bam casá um filha d'nha Caela, vizinha e vélha amiga dês dois. Nhô Ambrosê ma nha Ludvina ca pôdia dxá d'parcê na fésta, q'fôi daquês q'ta lembróde pa mute têmpe: Mésa fárta, grôgue á vontáde e alegria geral.
         Hora d'recolhê pa casa, nha Ludvina ba pa diante pa "stabêlêcê distança" e nho Ambrôse sigui pôco dspôs, pa "mantêle".
         Quand êl tchgá na casa, nha Ludvina já tá detóde. Êl bá ta palpá na scure e bá da co'éla na baanda d'cama q'tá cabêle:
           ─Uah!… 'Cê dsculpóme… 'm enganá!… ─ Nha Ludvina dzêz e nho Ambrôse:
           ─Boçê podê stóde, bocê podê. E êl dirigì pa quel ôtre banda, ta ???? sê bigodim.
         Mufnéza d'dstine ta crê brinca c'ajuda d'scure? 'M ca sabê. O cêrte ê qu'ês dois tá c'sês dois grômsim na asa e bebida, cma ??? gênte sabê, ta torná ôme atrevide e mjêr infrontóde.
         Nhô Ambrôse pô ta tchgá dvagarim banda d'nha Ludvina e nha Ludvina pô ta tchgá também banda d'nhô Ambrôse, ma assim que's tá roçá corpe na companhêr, ês tá incujì ta dzê: ─ 'Cê dsculpóme, cê dsculpóme…
         Ma pôr fim nho Ambrôse cabá pa perdê linha e pxá mjêr pa se lôde, ta tremê fête sisôm:
           ─ Nha Ludvina dsculpóme, mas ê ca mim, cê podê crê, ê nha carne ma nha sangue q'ti ta pdì.
         E nha Ludvina q'ca qria ôtre côsa, vrá pa êle ta resfolegá:
           ─ Oh Ôme de Deus, nô bá na êle, nô bá! Nôs dois podê stóde zangóde, ma nôs côrpe não!... Exe inocênte ca tem culpa!……
                  Sérgio Frusoni

Tradução para o português[editar]