Dia de Reis

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Dia de Reis


Boas noites, meus senhores,
boas noites vimos dar,
vimos pedir as Janeiras,
se no-las quiserem dar.

Viva lá, senhor António
na folhinha do loureiro;
viva o senhor da casa
que é um grande cavalheiro.

Menina que está lá dentro
assentada na cortiça;
dê pr’a cá uma chouriça.
 
Levante-se lá, senhora,
do seu banquinho de prata;
venha dar-nos as Janeiras
que está um frio que mata.

Ano Novo Ano Novo
Ano Novo, melhor ano,
Vimos cantar as Janeiras,
Como é de lei cada ano.
 
Vinde –nos dar as Janeiras,
Se no-las houverdes de dar,
Somos romeiros de longe,
Não podemos cá voltar.
 
Boas festas, santas-festas,
Está a alba a "arruçaar",
Venham-nos dar as Janeiras,
Que temos muito para andar.

DIA DE SANTO REIS

O de casa o de fora, o de casa morador, o de casa morador.

Santo Reis ia passando e em sua casa parou e em sua casa parou.

Senhora dona da cãs é a flor da laranjeira, é a flor da laranjeira, de agosto pra setembro ela é a flor que mais cheira, ela é a flor que mais cheira cheira.

Senhora dona da casa é uma Rainha de mulher, é uma Rainha de mulher, se mistura entre as outras ninguém sabe qual que é, ninguém sabe qual que é.