Diferenças entre edições de "O Crime do Padre Amaro/XIV"

Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
54 bytes adicionados ,  20h08min de 3 de julho de 2014
sem resumo de edição
(Importação automática de artigos)
 
 
{{navegar
|obra=[[O Crime do Padre Amaro]]
|posterior=[[O Crime do Padre Amaro/XV|Capítulo XV]]
|notas=
}}[[Categoria:O Crime do Padre Amaro|Capítulo 14]]
}}
==__MATCH__:[[Página:O Crime do Padre Amaro.djvu/317]]==
 
João Eduardo desceu a rua, embrulhando o cigarro. Sentia-se enervado, todo cansado da noite desesperada que passara, daquela manhã cheia de passos inúteis das conversas do doutor Godinho e do doutor Gouveia.
 
 
A essa hora João Eduardo, o ímpio, no seu quarto, sentado aos pés da cama, soluçava, com a face banhada em lágrimas, pensando em Amélia, nos bons serões da Rua da Misericórdia, na cidade para onde iria, na roupa que empenharia e perguntando em vão a si mesmo por que o tratavam assim, ele que era tão trabalhador, que não queria mal a ninguém, e que a adorava tanto, a ela.
 
[[Categoria:O Crime do Padre Amaro|Capítulo 14]]
3 957

edições

Menu de navegação