Fausto/XXXI

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa


                                         QUADRO XI
Casa da vizinha Marta. Quarto pobre. Porta ao fundo, entre duas janelas cortinadas. Cadeiras. Mesa com espelho.

CENA I

MARTA (só)

Valha-te Deus, marido! Ires-te assim à tuna
pelo mundo de Cristo à cata da fortuna,
e deixares-me aqui em frio celibato,
tristinha, muda, e só, nas palhas de um grabato!
E então porquê? porquê? Dei-lhe eu razão de queixa?
Não lhe quis sempre tanto?

(Desata a chorar)

E ele não só me deixa,
senão que nem me escreve, a dar-me algum conforto,
por modo que nem sei se é vivo ou se está morto.
Se me tivera vindo ao menos certidão
de estar já com o Senhor...!