Fausto/XXXIV

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa

                           QUADRO XII
                           Rua.

                             CENA ÚNICA
FAUSTO e MEFISTÓFELES

FAUSTO
Que tens feito? Adianta-se o negócio?

MEFISTÓFELES
Cáspite, que fervença! A rapariga
dá-se a partido em breves audiências.
Na própria desta noite hão-de avistar-se
em casa da viúva, a mais de molde
que nunca vi para um papel promíscuo
de terceira e cigana.

FAUSTO
Aprovo.

MEFISTÓFELES
Em câmbio
põe-nos um berbicacho.

FAUSTO
É muito justo:
uma mão lava a outra.

MEFISTÓFELES
Havemos ambos
de jurar ao juiz, em como a ossada
do homem dela repoisa em terra benta,
em Pádua.

FAUSTO
É previdente a mulherzinha;
mas então claro está que antes da coisa,
temos de ir ver em Pádua a sepultura.

MEFISTÓFELES
Santa simplicidade! O que é preciso,
é jurar que se viu,

FAUSTO
Se não me alvitras
coisa melhor, gorado está o ajuste.

MEFISTÓFELES
Beatíssimo varão! Gosto do escrúpulo.
Pois nunca nunca, em toda a sua vida,
deu testemunho falso?
Que de vezes
não haverá, com magistral entono,
coração firme e intrépido semblante,
declarado o que é Deus! aberto o arcano
do mundo e das míriades dos entes
que o povoam! do homem, co’o sem conto
de afectos, de paixões, de pensamentos,
que n’alma e coração lhe tumultuam!
Meta, bem dentro, a mão na consciência,
e diga-me se tinha dessas coisas.
mais noção que da morte do Espadinha?

FAUSTO
És, foste, e hás-de ser sempre um mentiroso,
e um sofista de marca.

MEFISTÓFELES
É isso: ápodos,
porque antevejo o que o Doutor não pesca:
que amanhã, por exemplo, o escrupuloso
há-de enganar, jurando-lhe mil honras,
e amores mil, a pobre Margarida.

FAUSTO
E a-la-fé que não minto em protestar-lhos.

MEFISTÓFELES
Bravíssimo! Portanto essas constâncias
sem limite, esse afecto incontrastável,
tudo isso que a tristinha há-de engolir-lhe...
tudo lhe há-de brotar da consciência?

FAUSTO
Há-de sim; não mo impugnes. O que eu sinto!
este meu alvoroço! nem rastreio
como lhe chame. Busco-lhe nas línguas
de todo o mundo um nome, e não lho encontro.
Excogito as hipérboles mais anchas,
infindo, imenso, eterno, mais que eterno,
e tudo é curto, e nada iguala ao fogo
que arde aqui dentro... De infernal engano
darás título a isto?

MEFISTÓFELES
E pur si muove!

FAUSTO
Basta de me esfalfares. Quem por força
quer vencer, e tem língua que não cansa,
fica sempre de cima. Estou já farto
do teu bacharelar.
Não disputemos:
tens razão, tens.
Não fora a dependência...!