He hum não querer mais que bem querer; (Camões) IV

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
He hum não querer mais que bem querer; (Camões) IV
por Florbela Espanca
Poema publicado em Charneca em Flor


És tu! És tu! Sempre vieste, enfim!
Oiço de novo o riso dos teus passos!
És tu que eu vejo a estender-me os braços
Que Deus criou pra me abraçar a mim!

Tudo é divino e santo visto assim.
Foram-se os desalentos, os cansaços..
O mundo não é mundo: é um jardim!
Um céu aberto: longes, os espaços!

Prende-me toda, Amor, prende-me bem!
Que vês tu em redor? Não há ninguém!
A terra? - Um astro morto que flutua...

Tudo o que é chama a arder, tudo o que sente
Tudo o que é vida e vibra eternamente
É tu seres meu, Amor, e eu ser tua!