História das Psicoterapias e da Psicanálise/III/III

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
História das Psicoterapias e da Psicanálise por Nelson Valente
Princípios básicos de psicologia no terreno da psicanálise, Crescimento normal e defeituoso


1) Literalmente o homem levantou-se do chão. De quadrúpede tornou-se bípede. Após muitas tentativas tornou-se ereto. Também a criança levanta-se do chão, reproduzindo a linha zoológica que originou seus antepassados. De uma coisa, quase inanimada, pelo crescimento e aprendizado, torna-se um homem racional, sapiens, equilibrado, física e psiquicamente sadio. Mas essa linha de desenvolvimento que podemos traçar como vertical, quando normal, pode sofrer desvios e tornar-se anormal ou oblíqua.

2) Por própria constituição somática hereditária, mesmo desde antes do nascimento, ou por causa dele, algumas crianças ficam incapacitadas de "erguer-se" ou de crescer normalmente. Caracterizados por diversos graus, levam o nome genérico de deficientes, hoje amenizado com o termo de excepcionais (negativos).

3) Por características constitucionais somáticas, também, orgânicas e hormonais, de um lado, ou por influências ambientais de um aprendizado errado, de outro, o crescimento de um grande número de pessoas, psíquica e emocionalmente resulta anormal ou desviado da verticalidade. Numa grande escala de especificação constituem a classe, relativamente enorme, dos doentes mentais e emotivos. Seu erguimento da animalidade para a racionabilidade, foi grandemente prejudicado e impossibilitado.

4) Alguns outros crescem normalmente e adquirem a categoria de homens equilibrados, tanto mental como emocionalmente falando. E alguns outros conseguem seu desenvolvimento, em grau excepcionalmente positivo, recebendo o nome de dotados ou superdotados (o que nem sempre quer dizer que sejam emocionalmente equilibrados).

5) Deixando para os Psiquiatras o estudo das anormalidades constitucionais dos doentes do primeiro grupo, e para o psicólogo a análise das características das pessoas do terceiro grupo, diante dos doentes do segundo grupo, o psicanalista se pergunta: quais as causas do comportamento anormal e do desenvolvimento deficitário dessas pessoas, que mental ou emocionalmente sofreram esses desvios?