Meteorito de Bendegó: relatorio (1888)/04

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
Meteorito de Bendegó: relatorio por José Carlos de Carvalho Júnior
Escolha do caminho para o transporte do meteorito
Imprensa Nacional (1888). páginas 34-37


III

Escolha do caminho para o transporte do meteorito


A escolha do caminho mais conveniente para o transporte do meteorito foi examinada cuidadosamente por mim e pelo engenheiro Vicente de Carvalho.

As intituladas estradas percorridas foram as seguintes :

Monte Santo a Bendégo por Athanasio. 39k,5
— — Soledade. 37 ,5
— — Acarú. 42 ,0
Queimadas. 88 ,0
Itiúba. 77 ,0
Jacuricy por Pedra Vermelha. 71 ,0
— — Camandaroba. 94 ,0
Caldeirão pela Giboia ao k 259 do prolongamento. 27 ,0
Gato ao Gado Bravo. 8 ,0
Total 484k,0

Attendendo ás circunstancias do transporte, que exigia differentes meios de tracção, devendo ser ora directa, ora por meio de apparelhos e sobre trilhos, conforme a consistencia do terreno e os declives, reconheceu-se que seria mais conveniente o caminho que contivesse maiores extensões de leito nas mesmas condições.

As chamadas estradas, que foram por nós percorridas, tinham raramente dous ou mais metros de largura, e o leito muito damnificado pelas enchurradas; para utilisal-as, seria, pois, necessario grandes reparações e alargal-as ou abrir picada inteiramente nova ao lado da antiga estrada; o que succedeu em grande parte afim de poupar movimento de terras muito dispendioso, e exigir o emprego constante dos trilhos.

Por estas considerações, parece que, tendo-se de abrir quasi toda a estrada, o mais conveniente seria a estrada directa de Bendegó a Jacuricy. De encontro, porém, a esta consideravel reducção de distancia, surgiram outras difficuldades : no percurso tinha-se de atravessar grandes extensões, que não podiam ser reconhecidas sem muito dispendio e sacrificios, por falta de recursos locaes, pois, em geral, toda esta parte do sertão é extremamente secca e despovoada. A agua fornecida, quasi sempre, por tanques, açudes ou cacimbas nos riachos mais caudalosos, não a encontrariamos si nos fossemos aventurar por um tal caminho, e o abastecimento para o pessoas e animaes seria difficil, demorado e bastante caro. O caminho directo teve de ser abandonado, e o seria ainda que houvesse certeza de não se encontrar difficuldades insuperaveis no terreno pela falta unica de aguadas.

Marcou-se, pois, como ponto de passagem obrigado, a villa de Monte Santo ou suas cercanias.

Aos caminhos mais curtos de Bendegó para Monte Santo, pelo Athanasio e pela Soledade, foi preferido o do Acarú, por se encontrar no trajecto maior numero de fazendas, e por conseguinte, mais agua, pastos e outros recursos, além de ser mais homogeno o perfil, o terreno muito menos pedregoso, e de poder-se aproveitar grande parte da estrada da Volta da Pedra ao riacho Salgado, onde em muitos logares nada havia a fazer.

De Monte Santo á estrada de ferro o caminho escolhido foi o da Estação do Jacuricy de preferencia aos que íam ter a Queimadas e Itiúba ; não só no que dizia respeito a recursos, agua e pastos, cujas condições eras as mesmas, como porque ambas eram mais extensas, accrescendo que a estrada de Queimadas é má : até a travessia do Cariacá é muito pedregosas e accidentada ; dahi em diante atravessa grande numero de lagòas consideraveis, algumas com dous metros d'agua; e por fim a travessia do Jacuricy era pessima. Na estrada da Itiúba, a serra deste nome e suas circumvizinhanças tornaram impossivel a sua escolha, apezar de ser excellente todo o resto do caminho, que era plano, sem lagòas ou pedreiras e mais larga. Ainda pensou-se em utilisar este caminho até Camandaroba e dahi seguir para o Jacuricy margeando o rio ; esta idéa, porém, foi abandonada, á vista da grande distancia e do pessimo terreno a percorrer, que ficaria intransitavel com qualquer chuva.

O caminho do Jacuricy, por Pedra Vermelha, foi julgado o melhor e por conseguinte o escolhido, apezar de ser extremamente accidentado do Caldeirão á Lagòa dos Cavallos, não só por ser o mais curto, mas tambem o mais uniforme em declives e natureza do leito. Tratando se de evitar o trecho máo do caminho escolhido, examinou-se tambem o itinerario pela Giboia e Gato a sahir no kil. 259 do Prolongamento.

Esta variante foi julgada imprestavel, porque, pouco melhorando, alongava o trajecto, e ser-nos-hia preferido seguir do Gato para Gado bravo, si não se tivesse resolvido, depois de cuidadoso estudo, tirar uma linha média entre aquelles dous e, passar pelas lagòas do Marysinho e dos Bois, modificação que, pouco alongado o percurso, livrou-nos de extensas rampas, algumas com 40 % de declive, como havia na estrada pela pedra vermelha.

O caminho do Bendegó para Acarú pelo Salgado aproveitava grande extensão da estrada do Curaçá e evitava a serra ; era porém extremamente desenvolvido, e por isso pouca attenção nos mereceu.


Planta, picada e outros trabalhos


O trabalho do levantamento da planta geral e o nivelamento longitudinal do caminho percorrido pelo meteorito foi feito pelos engenheiros a serviço da commissão, cabendo ainda ao engenheiro Vicente de Carvalho a construcção da planta da villa de Santo Antonio das Queimadas e a ligação da planta geral com a da villa de Monte Santo, que foi levantada pelo engenheiro Humberto Antunes, que tambem determinou as coordenadas geographicas do Bendegó e as desta Villa.

No caminho aberto para dar passagem ao meteorito foi executado o seguinte serviço :

                                                               m 
Picada aberta com 5m de largura.......................    68.420,00
 —    alargada para 5m de largura......................    38.460,00
 —    destocada......................................     6.542,80
 —    melhorada do Caldeirão á Lagòa dos Cavallos por Pedra Vermelha.............................................     19.000,00

Movimento de terras (excavação em 5.599,m60 de extensão) 1.936,008

A picada do Caldeirão á Lagòa dos Cavallos por Pedra Vermelha foi melhorada por occasião de transportar-se o material de serviço.

A cubação dos marcos é a seguinte:

DESIGNAÇÃO Excavação Alvenaria
o r d i n a r i a
Cantaria
1ª c l a s s e
Marco D. Pedro II:
Cava para fundação 1,237
Fundação, etc., etc. 2,096
Marco « Barão do Guahy » :
Cava para fundação 1,767
Fundação 1,767
Obelisco 1,665
  3,001 3,863 1,635

A construcção destes marcos foi por mim projectada e dirigida, sendo coadjuvado na execução do março Barão do Guahy pelo engenheiro Vicente José de Carvalho Filho.