No mundo non me sei parelha

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
No mundo non me sei parelha
por Paio Soares de Taveirós
Cancioneiro da Ajuda 38; Considerado como o texto escrito em galego-português mais antigo, de fins do século XII. É também conhecido por Cantiga da Guarvaia ou Canção da Ribeirinha.


No mundo non me sei parelha,
mentre me for como me vai,
ca ja moiro por vós e ai!
mia senhor branca e vermelha,
queredes que vós retraia
quando vos eu vi en saia.
Mao día me levantei,
que vos entón non vi fea!

E, mia senhor, des aquelha
me foi a mí mui mal di'ai!,
E vós, filha de don Paai
Moniz, e ben vos semelha
d'haver eu por vós guarvaia,
pois eu, mia senhor, d'alfaia
nunca de vós houve nen hei
valía dũa correa.