O Cancioneiro portuguez da Vaticana/VI

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
O Cancioneiro portuguez da Vaticana por Teófilo Braga
Capítulo VI: Il Canzoniere portoghese della Bibliotheca Vaticana, n°. 4803. Messo a stampa de Ernesto Monaci. Halle, 1875.


Desde 1847, que o brasileiro Lopes de Moura publicou em Paris um excerpto do grande Cancioneiro portuguez da Vaticana, contendo as canções de el-rei Dom Diniz. Como se veiu a conhecer a existencia d'este precioso codice em Roma? Desde o principio do seculo XVII que elle entrara na Bibliotheca do Vaticano pela doação dos livros de Fulvio Orsini; no seculo XVIII, segundo Varnhagem, era citado por um bibliophilo hespanhol junto com outros codices de poesias catalans e valencianas; o facto de existir com encadernação moderna e com a insignia papal de Pio VII (1800 — 1823) explica-se pela reparação e ao mesmo tempo pelo interesse que houve em conservar o cancioneiro formado de cadernos differentes e incompletos, e escriptos com tinta corrosiva que o pulverisa. Wolf, por intervenção do slavista Kopitar, mandou fazer as primeiras investigações no Vaticano para descobrir este codice de que tinha vago conhecimento pela vaga allusão de Nunes de Leão; foram infructuosas as tentativas; o visconde da Carreira, embaixador em Roma, avisado por um franciscano (por ventura o P. Roquete, como se sabe pelo prologo da edição de Moura) conseguiu a copia da parte publicada em Paris por Aillaud. Desde 1847 até hoje, nunca o governo portuguez, nem a Academia real das Sciencias comprehenderam o valor d'este monumento. A reproducção das nossas riquezas litterarias têm sido sempre feita por estrangeiros, e a publicação d'este importantissimo cancioneiro foi agora realisada por um rapaz desajudado de subsidios academicos, mas animado pelo amor da sciencia. A edição feita em Halle, appresenta todo o rigor diplomatico, de modo que os erros do copista italiano do seculo XVI podem restituir-se á leitura do portuguez do codice primitivo; apesar d'este subsidio, Monaci tentou com um seguro tino critico uma tabella dos principaes erros systematicos, e um indice das necessarias restituições que se podem fazer em cada canção; em fim, tudo quanto é preciso para a intelligencia do texto, existe ali. Monaci conservou a disposição do manuscripto na reproducção typographica, já a uma ou a duas columnas, com todos os vestigios das differentes numerações e siglas referentes a outros codices analogos e mais antigos. Pelo seu prologo, de uma precisão rigorosa, se vê toda a historia externa do Cancioneiro. O Codice da Vaticana está em papel de linho, com trez marcas de agua differentes, tal como se empregava nas edições do Varisco; a letra é italiana, tal como a dos documentos do fim do seculo XV e principio do seculo XVI, proveniente de dois copistas, um que escreveu as poesias, algumas rubricas e notas, outro a maior parte dos nomes, as numerações e algumas postillas, contando ao todo 210 folhas. Da descripção d'este cancioneiro conclue-se, pelo estado em que se acha, que outro ou outros cancioneiros foram n'elle copiados ou confrontados. A primeira nota que se depara ao abril-o é: "Manca da fol. IJ a fol. 43;" isto quer dizer, que o cancioneiro foi copiado de um outro codice que já se achava assim fragmentado, mas que mais tarde foi confrontado com outro que estava completo, como veremos na relação com o Indice de Colocci.

Ao começar o texto acha-se outra referencia: "A fogli 90" e segue-se a canção de Fernão Gonçalves, o que parece significar, que n'este cancioneiro existia outra disposição das poesias á qual se refere este numero, que continúa a cotar successivamente outras canções, entremeiando-se com numeros romanos, que parecem estabelecer referencia a outro cancioneiro. Separemos estas duas ordens de numeros, por onde deduzimos o confronto com dois cancioneiros; para se localisar melhor a referencia que era de folhas e verso, indicaremos a numeração actual das canções: Fol. 91 (canc. 8), 92 (canç. 11); Fol. 97 desunt multa (canç. 43 fine); junto da canção 61, vem a sigla Desunt; junto da 63 vem car. 106; junto da canção 299: "Fol. 141 Al vo" (del volumen?); junto da canção 507 vem: "173 a tergo" e algumas canções com dois nomes de auctores, como Martin Campina ou Pero Meogo, como forme a attribuição de um ou outro texto (canc. 796.). Por fim termina com esta outra rubrica: "A fol. 290 è cominciata una Rubrica e non è finita di copiare". Tudo isto prova, que se fez o confronto d'este apographo existente cum um codice mais completo, seguindo-se o confronto até á folha 300 d'esse codice perdido.

O confronto do Codice por meio da numeração romana não prosegue até ao fim; apenas se acha LXXXVJ junto da canção 4; LXXXVIIJ junto da Canção 14; LXXXVIIIJ junto da canção 26 fine; XCVJ junto da canção 39 a 45; XCVIIJ coincide com a referencia anterior, junto da canção 49; XCVIIIJ á canção 55; CXII á 62; CXIIIJ á canção 70; CXVIJ á canção 77. Esta numeração romana adianta-se aqui mais do que a arabe, signal de que havia divergencia entre os dois codices que serviam para confrontação com o apographo publicado. É certo porem, que a numeração romana termina antes do corpo das canções de el-rei Dom Diniz, d'onde se poderá inferir, que até esta parte contribuiu um cancioneiro parcial, e que de Dom Diniz só entrava no que era numerado em algarismos. Que existiam diversos cancioneiros, pelas mesmas canções d'este codice se pode conhecer, como pela canção de D. Affonso de Castella (canç. 76) em que allude ao Livro dos Sons, que era um cancioneiro com que o Dayão de Cales seduzia as mulheres. Na sua edição Monaci deixou apontados em um indice fundamental todas as canções repetidas no cancioneiro, ou aquellas que mutuamente se plagiavam. Da sua comparação se podem tirar poderosas inducções, para se estabelecer quantos pequenos cancioneiros haviam servido para formarem o cancioneiro grande, do qual o apographo publicado é uma copia. É o que vamos tentar.

Pequenos Cancioneiros que entraram na formação do Cancioneiro da Vaticano. — A canção 4, de Sancho Sanches, apparece repetida com mais duas estrophes e assignada por Pero da Ponte, sob o numero 569; a 2ª e 3ª strophes da versão de Pero da Ponte, faltam na canção de Sancho Sanches. As strophes communs têm as seguintes variantes:

Sazom foi já, que me teve em desdem (n°. 4)
Tal sazom foi, que me teve em desdem (nº. 569).
Que com'é mais j'agora seu amor (n°. 4)
Quando me mays forçava seu amor. (n°. 569).
E ora que pes'a mha senhor (n°. 4)
E ora mal que pes'a mha senhor (n°. 569).

Evidentemente estas duas canções foram colligidas de dois cancioneiros parciaes, e elles mesmos escriptos em grande parte de memoria.

A canção 13, de Mem Rodrigues Tenoyro, têm apenas uma estrophe, mas repete-se sob o numero 319 com o nome do mesmo trovador e com mais duas estrophes que a completam. Deve attribuir-se essa divergencia ao ter sido colligida de dois cancioneiros, formado por diversos collecctores.

A canção 29, assignada por João de Guilhade, repete-se sob o numero 38 com o nome do trovador Stevam Froyam; existem entre ellas leves variantes, mas como estão immensamente deturpadas, só pelos dois textos se reconstruem. Por este facto se vê, que houve compilação de dois cancioneiros, e que o copista mal percebia a letra e fazia selecção das canções.

A canção 116 e 174, do cancioneiro de Dom Diniz, são uma e mesma, havendo entre estes dois numeros variantes, e sobretudo a 2ª e 3ª estrophe alternadas. Não proviria isto dos originaes, escriptos por esmerados copistas, que se guardaram na Bibliotheca de el-rei Dom Duarte; este facto prova-nos, que o corpo das canções de Dom Diniz, que na collecção Vaticana occupa dos n.'os 80 até 208 proveiu de copias avulsas de differentes palacianos, e talvez do proprio Conde D. Pedro.

A canção 241, do trovador Payo Soares, apparece com o numero 413 repetida sob o nome de Affonso Eanes de Coton (Cordu); tem apenas uma rapida variante ortographica, mas tanto o facto da repetição, como o da attribuição a dois trovadores differentes accusam duas colleções parciaes.

A canções 457 e 469 pertencem a Ayres Nunes Clerigo e são uma unica, com a differença que as trez strophes de que constam, tem os versos baralhados sem systema; o que se explica pelo caracter jogralesco, isto é, que foram duas vezes colligidas no tempo em que eram cantadas a caprixo de Ayres Nunes ou de qualquer outro jogral, que as sabia de cór; ou então, que provieram de dois cancioneiros onde as duas canções se differenciavam pela razão acima indicada.

A sirvente 472 de Martim Moxa apparece sob o numero 1036, em nome de Lourenço, jograr de Sarria, com variantes fundamentaes, que provam compilação de dois cancioneiros diversos. O caracter sirventesco fez talvez que varios jograes regeitassem a paternidade d'essa canção que verbera os privados da côrte de D. Affonso III.

O numero 613 e 639 são uma mesma canção de João Ayres, burguez de Santiago; abundam as variantes entre estas duas composições, signal de que provieram de duas copias resultantes da monomania dos cancioneiros particulares. E sob o nome d'este mesmo trovador andam as duas canções repetidas 634 e 138, tendo esta ultima alem das variantes mais uma estrophe e um Cabo.

Em nome do jogral João Servando apparecem repetidas as canções 738 e 749 com variantes fundamentaes entre si:

Ora vou a Sam Servando,
donas, fazer romaria,
e nom me leixam com elas
hir, cá logo alá hiria
por que vem hy meu amigo. (738)
Donas vam a Sam Servando
muytas hoje em romaria,
mais nom quiz oje mha madre
que foss' eu hi este dia
por que vem hy meu amigo. (749)

As outras variantes nas demais strophes são menos reparaveis, mas no numero 738 ha uma strophe a mais. A pequena distancia a que ficam uma da outra estas canções, provam-nos que o copista italiano transcreveu materialmente uma compilação já formada; e por tanto tudo quanto se pode concluir sobre estas canções identicas liga-se á formação d'esse cancioneiro perdido d'onde se trasladou o codice da Vaticana.

Dois casos especiaes se davam n'essa formação do antigo cancioneiro: 1° ou as canções se attribuiam na repetição a dois trovadores differentes taes como Sancho Sanches e Pero da Ponte, João de Guilhade e Stevam Froyam, Pay Soares e Affonso Eanes do Cotom, Martim Moxa e Lourenco Jograr; 2° ou se repetiam em nome do mesmo trovador, como Mem Rodrigues Tenoyro, el-rei D. Diniz, Ayres Nunes Clerigo, João Ayres, e João Servando. Para o primeiro caso conclue-se que contribuiram para a formação do grande cancioneiro pequenos cancioneiros trasladados de cantares dispersos, por curiosidade, ou tambem apanhados na corrente oral, porque um só collector notaria os plagiatos. Para o segundo caso poderiam os jograes terem contribuido com os seus cadernos de cantos e assim com lições differentes de um mesmo texto que se alterava pelas continuadas repetições.

De todo este confronto se conhece a necessidade de estabelecer por todos os meios possiveis ás relações entre este apographo da Vaticana e os dois cancioneiros de Colocci, perdido, e o da Ajuda.

Relações do Cancioneiro da Vaticana com o Cancioneiro de Angelo Colocci. — Antes de Monaci haver descoberto no Ms. n°. 3217 o Indice do Cancioneiro perdido do erudito quinhentista italiano Angelo Colocci, ja elle determinara pela forma por que está escripto o Cancioneiro da Vaticana, que deveria ter existido um original mais antigo e mais completo. A descoberta do Indice veiu authenticar a existencia d'esse Cancioneiro perdido e explicar pela letra do proprio Colocci, quem é que tinha feito o confronto. O illustre Monaci comprehendeu logo quanto util seria para a critica o comparar a lista dos trovadores do Cancioneiro perdido com a dos trovadores do Cancioneiro existente (Appendice I, p. XIX a XXIV); por uma simples inspecção fica o leitor habilitado a conhecer as profundas relações entre os dois cancioneiros; o de Colocci continha mil seis centas e setenta e cinco canções, e o da Vaticana contem mil duzentas e cinco, isto é, quatrocentas e setenta canções a menos, por ventura as que occupavam até a fol. 90. O numero das canções de cada trovador pode tambem ser confrontado, porque no Codice de Colocci as canções de Colocci eram numeradas por algarismos e cada nome de trovador é precedido pelo numero que limita as canções do antecedente. Assim, como já acima vimos, as canções de D. Diniz são no Codice da Vaticana cincoenta e uma a mais do que no de Colocci. Apezar d'isso as notas desunt multa provam-nos que o Cancioneiro de Colocci era muito mais rico, como se vê pelos nomes dos seguintes trovadores que faltam no da Vaticana:

Diego Moniz, que tinha ali uma canção; Pero Paes Bazoco, com sete canções; João Velaz, Dom Juano; Pero Rodrigues de Palmeyra; Dom Rodrigo Dias dos Conveyros; Ayres Soares; Osorio Annes; Nuno Fernandes de Mira-Peixe; Fernam Figueiredo de Lemos; Dom Gil Sanches; Ruy Gomes o Freyre; João Soares Fomesso; Nuno Eanes Cerzeo; Pero Velho de Taveirós; Pay Soares de Taveirós; Fernam Garcia Esgaravunha, do qual existiam dezessete canções; João Coelho; Pero Montaldo; duas canções do trovador genovez Bonifacio Calvo; o Conde D. Gonçalo Garcia; Dom Garcia Mendes de Eixo; El rei Dom Affonso IV, filho de el-rei D. Diniz, com quatro canções. No Codice de Colocci, as canções de D. Diniz não estavam em um corpo isolado, apresentando mais quatro composições destacadas no fim do cancioneiro. Esta parte tambem é omissa no Cancioneiro da Vaticana, por que aí se encontram outra vez trovadores dos supracitados, como João Garcia, D. Fernam Garcia Esgaravunha, Pero Mastaldo, Gil Peres Conde, Dom Ruy Gomes de Briteiros, Fernam Soares de Quiñones, etc. Pelo confronto do Indice de Colocci se conhece, que embora se sigam ao texto do Cancioneiro da Vaticana quatorze folhas em branco, nem por isso ficou muito distante do fim, por que só deixaram de ser copiadas algumas sirventes de Julião Bolseyro. D' este confronto se conclue: 1°. que o codice d'onde se extraíu a copia da Vaticana differia no numero das canções e na sua disposição do de Colocci; 2º. que as relações mutuas accusam fontes communs, mas colleccionação arbitraria no agrupamento dos differentes cancioneiros parciaes.

Relações do Cancioneiro da Vaticana com o Cancioneiro da Ajuda. — Lopes de Moura foi o primeiro que encontrou na collecção da Vaticana a canção de João Vasques, Muyt'ando triste no meu coraçom, que existe anonyma no Cancioneiro da Ajuda. Logo depois, Varnhagem achou mais quarenta e nove canções communs aos dois codices, e nós mesmo ainda viemos a encontrar mais seis canções repetidas. São ao todo cincoenta e seis canções communs, facto importante para estabelecer as relações, que existiram entre os dois cancioneiros. Em primeiro logar, o Cancioneiro da Vaticana foi já copiado de um codice truncado, como por exemplo: a canção 43 tem a rubrica final: "Fol.97 desunt multa" e a canção seguinte está truncada no principio; porem estas canções de João Vasques completam-se pelo Cancioneiro da Ajuda, canção n°. 272 e 273 (ed. Trovas e Cantares). Isto prova, que embora o Cancioneiro da Ajuda esteja truncado e por seu turno se complete com algumas canções do codice de Roma (y, das Trovas == n°. 38, Canc. da Vat.) ambos provieram de fontes differentes, porque tambem nas cincoenta e seis canções communs existem notaveis variantes:

Nostro senhor, que lhe bom prez foi dar. (Vatic.)
Deus que lhe mui bom parecer foi dar. (Ajuda)

N'esta variante o original do codice vaticano mostra-se mais archaico na linguagem. Na canção 46, de Fernão Velho (no codice da Ajuda, n°. 92) no primeiro verso da 2ª strophe vem uma variante que denota erro do copista portuguez conservado inconscientemente pelo antigo copista italiano:

E mha senhor fremosa de bom parecer (Vatic.)
E mia senhor fremosa de bom prez. (Ajud.)

Prez é uma contracção de preço, e d'aqui resultou que o copista portuguez traduziu inconscientemente; como organisado no paço, o Cancioneiro da Ajuda seria formado directamente da contribuição dos muitos trovadores que o frequentavam; o Cancioneiro de Roma era já derivado de um apographo secundario, truncado no principio, meio e fim, e em certos pontos mais archaico.

Na canção 47 da Vaticana (93 da Ajuda) pertencente a Fernão Velho, vem:

Quant' eu, mha senhor, de vós receei... (Vatic.)
Quant' eu de vós, mia senhor receei (Ajud.)
E vos dix'o mui grand'amor que ei (Vatic.)
E vos dix'o grande amor que vós ei (Ajud.)

A canção 48 da Vaticana, apesar das imperfeições da copia italiana, pode ser reconstruida pelo typo strophico, porem a nº. 94 da Ajuda ficou incompleta:

Lição da Ajuda: Lição da Vaticana:

E mal dia naci, senhor,
Pois que m'eu d'u vós sodes, vou;
Ca mui bem sou sabedor
Que morrerei u nom jaz al;
Pois que m'eu d'u vós sodes, vou.
.............

.............
.............

E mal dia naci, senhor,
pois que m'eu d'u vos sodes, vou;
ca mui bem som sabedor
que morrerey hu nom ey al;
poys que m'eu d'u vos sodes, vou,
pois que de vos ei a partir por mal.

E logo hu m'eu de vós partir
morrerey se me deus nom val

A canção 53 da Vaticana (Ajuda, nº. 99), tem uma strophe mais imperfeita do que no codice da Ajuda; mas en compensação tem o Cabo, que falta no codice portuguez:

Ajuda: Vaticana:

Meus amigos, muito me praz....
Cá bem pode partir da mayor
Coita de quantas eu oy falar,
De que eu fuy muyt'y a soffredor;
Esto sabe deus, que me foy mostrar
Uma dona que eu vi bem falar
E parecer por meu mal, e o sei.
.............
.............
.............

Meus amigos muyto mi praz d'amor.
Ca bem me pode partir da mayor
coyta de quantas eu oy falar,
do que eu fuy muyt'ha sofredor
e sabe deus hu a vi bem falar
e parecer, por meu mal, eu o sey.

Ca poys m'elles nom querem emparar
e me no seu poder querem leixar,
nunca por outra emparado serey.

A canção 395, de Payo Gomes Charrinho, repetida no cancioneiro da Ajuda, n°. 276, tambem revela duas fontes diversas:

e nom lh'ousey mays d'atanto dizer (Vatic.)
e nom lh'ousey mais d'aquesto dizer. (Ajud.)
nem er cuidey que tam bem parecia (Vatic.)
nem cuidava que tambem parecia (Ajud.)
mays quand'eu vi o seu bom parecer (Vatic.)
mais u eu vi o seu bom parecer. (Ajud.)

No codice da Vaticana tem esta canção apenas trez estrophes; porem no da Ajuda termina com uma quarta:

E por esto bem consellaria
quantos oyrem-no seu bem falar
nom a vejam, e podem-se guardar
melhor ca m'end'eu guardei, que morria,
e dixe mal, mais fez-me deus aver
tal ventura, quando a fui veer
que nunca dix'o que dizer queria. (Ajuda)

Evidentemente as alterações de linguagem não foram do copista italiano, porque, comparativamente, a expletiva er é mais archaica; e por tanto a omissão da 4ª strophe não foi casual, mas resultante do estado d'outra fonte.

A canção 400, da Vaticana, tambem de Payo Gomes Charrinho, tem leves variantes na canção 278 da Ajuda, mas importantissimas omissões; assim no Codice de Roma, falta na primeira strophe o verso:

me quer matar e guaria melhor (Vat.)

e tambem faltam duas strophes completas com o seu Cabo.

A canção 428, ainda de Charrinho, tambem no Codice da Ajuda, n°. 285 offerece leves variantes; porem no Codice da Vaticana alternam-se a segunda com a terceira strophe, e falta este Cabo da lição da Ajuda:

E entend'eu cá me quer a tal bem
em que nom perde, nem gaano en rem.

A canções 485, 486 e 487 da Vaticana, do trovador Ruy Fernandes, acham-se nos pequenos fragmentos legiveis nas folhas do Cancioneiro da Ajuda, que serviram de guardas á encadernação do Nobiliario; esses fragmentos, seguindo a edição do Varnhagem são m, n, o; ainda assim se conhece por elles que existiam divergencias entre os dois codices:

Ajuda, (m): Vaticana, n°. 485:

A guisa de vos elevar
Por mia morte nom aver.

Ibid., (n):
Amigos, começa o meu mal.

a forza de vos elevar
por mha morte nom aduzer.

Ibid., n°. 486:
Ora começa o meu mal.

As canções de Fernão Padrom, n'os. 563, 564, 565, a que achámos as analogas nos numeros 126, 127 e 128 do codice da Ajuda, tambem apresentam variantes.

As canções n°. 566, 567, 568, 569 e 570, que andam em nome de Pero da Ponte no codice da Vaticana e apparecem anonymas no Cancioneiro da Ajuda, n'os. 112, 113, 114, 115 e 116 não appresentam mais variantes que a simples modificação ortographica em mha e mia, que poderia provir das differentes epocas das copias. Esta conformidade entre o texto da Vaticana e o da Ajuda, leva-nos a concluir que pequenos cancioneiros entraram na coordenação de um grande cancioneiro, e que as canções mais conformes são aquellas que andaram em menor numero de copias antes de se agruparem na collecção geral.

Já com relação ás Canções de Vasco Rodrigues de Calvelo, apparecem variantes e deturpações que não provêm do copista do seculo XVI, mas de codices diversos ja corruptos; a canção 580 comparada com a 265 da Ajuda tem uma lição menos pura, incompleta, mas differente:

Lição da Ajuda: Lição da Vaticana:

Per uma dona que quero gram bem

Com'a mim fez; ca des que eu naci
nunca vi ome en tal coita viver
como eu vivo por melhor bem querer
Com'a mim fez muy coitado d'amor

..... que quero gram bem.

Como a mim faz; que des quando naci
nunca vi ome tal coita sofrer
como eu sofro por melhor bem querer
Com'el faz mim muy coitado d'amor.

A lição da Ajuda termina com este Cabo, que falta no codice da Vaticana:

Com'a mim fez, e nunca me quiz dar
Bem d'essa dona, que me fez amar.

A canção 581, tambem de Vasco Rodrigues de Calvelo, sob a designação e da lição da Ajuda (ed. Trov. e Cant.) alem das mutuas variantes, tem a 2ª e 3ª a strophes alternadas:

E se soubess'em qual coyta d'amor (Vatic.)
Se lh'eu dissess'em qual coita d'amor (Ajud.)
per nulha guisa, pero m'ey sabor (Vatic.)
Per nulha guisa, ca ey gram pavor. (Ajud.)
De mais no Codice de Roma falta este Cabo:

Mais de tod'esto nora lhi dig'eu rem, Nem lh'o direy, cá lhe pesará bem.

Na Canção 582, do mesmo trovador, ha esta divergencia:

E rogo sempre por mha morte a deus (Vatic.)
Et rogo muito por mia morte a deus (Ajud.)

Na Canção 584, tambem de Calvelos, falta esta terceira estrophe, que vem no codice da Ajuda:

Como vós quiserdes será
De me fazerdes mal e bem
E pois é tod'em vosso sen
Fazed'o que quizerdes já...

A canção 677, de Pero de Armêa, acha-se imitada no codice da Ajuda, nº. 56, por forma que a da Vaticana apresenta um caracter de maior vulgarisação, e por isso de proveniencia jogralesca:

Lição da Ajuda: Lição da Vaticana:

Muitos me veem preguntar,
  mia senhor, a quem quero bem;
  e nom lhes queró end'eu falar
  com medo de vos pesar en,
  nem quer'a verdade dizer,
  mais jur'e faço lhes creer
  mentira, por vos lhe negar.

Muytos me veem preguntar,
 senhor, que lhes diga eu quem
est a dona que eu quero bem
 e com pavor de vos pesar
nom lhis ouso dizer per rem,
senhor, que vos quero bem.

Duas canções de Pedro Solás, confrontadas com as do codice da Ajuda, acabam de separar definitivamente estes dois cancioneiros:

Lição da Ajuda (nº. 123): Lição da Vaticana (nº. 824):

Nom est a de Nogueira
  A freira, que mi poder tem;
  Mays est outra a fremosa
  A que me quer'eu mayor bem;
    E moyro-m'eu pola freira
    Mais nom pola de Nogueira.


Se eu a freira visse o dia
  O dia que eu quizesse
  Nom ha coita no mundo
  Nem mingua que houvesse
    E moiro-me ...

Se m' ela mi amasse
  Muy gram dereito faria,
  Cá lher quer'eu mui gram bem
  E punh'y mais cada dia;
    E moiro-me ...

E nom est a de Nogueira
  a freira que eu quero bem,
  mays outra mais fremosa
  e a que mim em poder tem;
    e moir-m'eu pola freira
    mais nom pola de Nogueira.


E se eu aquella freyra
 hum dia veer podesse
 nom ha coita no mundo
 nem pesar que eu ouvesse
   e moyro-me ...

E seu aquella freyra
  veer podess'um dia
  nenhuã coita do mundo
  nem pesar nom averia
    e moyro-me ...

Estas duas variantes são elaborações differentes do mesmo trovador em epocas diversas, e por tanto os dois cancioneiros provêm effectivamente de duas fontes. A canção 825 da Vaticana, que se acha sob o numero 124 do Codice da Ajuda, apenas tem a terceira e quarta estrophes alternadas. O ultimo paradigma entre estes dois cancioneiros, apresenta uma composição (1061 da Vaticana, 253 da Ajuda) que pertence a João de Gaya, escudeiro da côrte de D. Affonso IV, por onde se fixa não só a epoca da colleccionação do codice de Lisboa, mas em que a fonte do Codice de Roma nos apparece mais completa:

Lição da Ajuda: Lição da Vaticana:

Conselho, e quer-se matar








E bem o podedes fazer

Conselho e quer-me matar.
E assi me tormenta amor
de tal coyta, que nunca par
ouv'outr'ome, a meu cuydar,
assy morrerey pecador,
e, senhor, muyto me praz en
que prazer tomades por en
non no dev'eu arrecear.

E bem o devedes saber, etc.

Conselho, e quer-se matar Conselho e quer-me matar. E assi me tormenta amor de tal coyta, que nunca par ouv'outr'ome, a meu cuydar, assy morrerey pecador, e, senhor, muyto me praz en que prazer tomades por en non no dev'eu arrecear.

E bem o podedes fazer E bem o devedes saber, etc.

Por todos estes factos se vê, que umas vezes o Codice de Roma é omisso com relação ao de Lisboa, o que se poderia impensadamente attribuir a incuria do copista; esta hypothese não pode ter logar, porque o Cancioneiro da Ajuda por muitissimas vezes apresenta eguaes omissões. Por tanto essas cincoenta e seis canções communs aos dois codices, entraram n'essas respectivas collecções provindo de codices parciaes e de differente epoca.

Relações do Cancioneiro da Vaticana com o apographo actualmente possuido por um Grande de Hespanha. — No Cancioneirinho de Trovas antigas, Varnhagem dá noticia no prologo, de ter encontrado em 1857 na Livraria de um fidalgo hespanhol um antigo cancioneiro portuguez, que, pela canções de el-rei D. Diniz que elle continha, lhe suscitou o procurar as analogias que teria com o Cancioneiro da Vaticana n°. 4803; tirou copia do citado Cancioneiro, e em 1858 procedeu em Roma ao confronto do codice madrileno com o da Vaticana. Começavam ambas as copias com a trova de Fernão Gonçalves, seguindo-se-lhe as duas canções de Pero Barroso; ambos os codices combinam nos mesmos nomes de trovadores, na ordem das canções, e em geral nos erros dos copistas. Poder-se-ha concluir que estes dois apographos se derivam ambos do mesmo original? Não; apezar de Varnhagem não ser mais explicito na descripção do codice madrileno e guardar no mysterio o nome do possuidor, comtudo pelas cincoenta composições do Cancioneirinho se descobrem profundas variantes, que se não podem attribuir a erro de leitura, ainda assim tão frequente em Varnhagem.

Copiamos aqui essas variantes, para que se conclua pela existencia de um outro codice mais antigo, tambem perdido. Na canção II, a strophe 3ª (Cancioneirinho) acha-se assim:

Os cavalleiros e cidadãos
d'aqueste rey aviam dizer
e se deviam com sas mãos poer
outrosi donas e escudeiros
que perderam a tam bem senhor
de quem poss'eu dizer, sem pavor,
que não ficou dal nos christãos.

Pelo codice de Roma vê-se a strophe construida da outro modo:

Os cavalleiros e cidadãos
que d' este rey aviam dinheiros
e outrosi donas e escudeiros,
matar se deviam por sas mãos ... (Canç. n°. 708.)

Na canção VI, a strophe segunda e terceira (Cancioneirinho) estão incompletas e interpolladas d'esta forma:

Cancioneirinho: Codice da Vaticana:

E as aves que voavam
  Quando sayam canções
  Todas d'amor cantavam
  Pelos ramos d'arredor;


  Mais eu sei tal que escrevesse
  Que em al cuidar podesse
  Se nom todo em amor.

Em pero dix'a gram medo:


  -- Mha senhor, falar-vos-ey
  Hum pouco, se m' ascuitardes
  Mais aqui nom estarey.

E as aves que voavam
  quando saya l'alvor
  todas de amor cantavam
  pelos ramos d'arredor;


  mais nom sei tal que i estevesse
  que em al cuidar podesse
  se nom todo em amor.

Aly stive eu muy quedo
  quis falar e nom ousey
  em pero dix'a gram medo:
  -- Mha senhor, falar-vos-ey
  um pouco, se m'ascuitardes
  e ir-m'ey quando mandardes
  mais aqui nom estarei.

(Canc. nº. 554.)

Pela lição da Vaticana, onde se vêem as duas strophes completas se infere que o defeito no Cancioneirinho provem de um texto imperfeito e differente, porventura tirado do apographo hespanhol.

Na canção XV (Cancioneirinho) vem uma strophe imperfeita, porque é formada com duas, que lhe alteram o typo:

Cancioneirinho: Codice da Vaticana:

E foi-las aguardar
  E nom a pude ver;
    e moiro-me d'amor.

E fui-las aguardar
 e nom o pude achar
  e moiro-me d'amor!
E fui-las atender,
 e nom no pude veer
  E moiro-me d'amor.

A canção XVII do Cancioneirinho tem só trez strophes; na lição do Codice da Vaticana, ha mais esta:

Estas doas mui belas
el m'as deu, ay donzelas,
nom vol-as negarey;
mas cintas das fivelas
eu nom as cingirei.

Com certeza esta deficiencia proveiu do apographo madrileno. Na canção XXI, a strophe 4ª está interpollada, e segundo a lição da Vaticana é que se conhece a proveniencia de outro codice:

Cancioneirinho: Codice da Vaticana:

Cá novas me disserom
  Que vem o meu amigo
  C'and'eu mui leda.

E cuido sempre no meu coraçom
  Pois nom cuid'al, des que vos vi,
  Se nom en meu amigo,
  E d'amor sei que nulh'ome tem,
  Pois migo é, tal mandades;
  Que vem o meu amado.

Ca novas me disserom
  ca vem o meu amado
  e and' eu mui leda,
  poys migu'é tal mandado;
  poys migu'é tal mandado
  que vem o meu amado.

Os versos sublinhados do Cancioneirinho, são visivelmente d'outra canção, porque tem outro typo strophico, e essa interpolação não se pode attribuir a erro de leitura de Varnhagem.

Na canção XXV, ha uma 4ª strophe, que é repetição da 1ª; na lição da Vaticana não existe esta forma; evidentemente o editor do Cancioneirinho seguiu aqui o codice madrileno.

Na canção XLV falta esta strophe, que pela lição do texto da Vaticana se vê que é a segunda:

Nom ja em al d'esto som sabedor
de m'algum tempo quizera leixar
e leix'e juro nom a ir matar
mays poys la matam, serey sofredor
sempre de coyt'em quant'eu viver,
cá sol y cuido no seu parecer
ey muyto mais d'outra rem desejar.

Na canção XLVI, falta esta 4ª strophe da lição da Vaticana:

Por en na sazom em que m'eu queixey
a deus, hu perdi quanto desejei
oy mais poss'en coraçom deus loar;
e por que me poz em tal cobro que ey
por senhor a melhor de quantas sey
eu, que poz tanto bem que nom ha par.

A canção XLVIII encerra a prova definitiva de que o codice madrileno serviu de base da edição do Cancioneirinho, e que esse codice proveiu de uma fonte diversa do da Vaticana; aí se acham essas duas strophes, que faltam no codice de Roma:

O que se foi comendo dos murtinhos
E a sa terra foi bever os vinhos,
Nom vem al Maio.
O que da guerra se foi com espanto
E a sa terra se foi armar manto
Nom vem al Maio.

Por outro lado no codice madrileno tambem faltam cinco strophes, por que são omissas no Cancioneirinho:

O que da guerra se foi com'emigo
pero nom veo quand'a preyto sigo
nom vem al Maio.
O que tragia o pendou a aquilom
e vendid'é sempr'a traiçom
nom vem al Maio.
O que tragia o pendou sen oyto,
e a sa gente nom dava pam coyto,
nom vem al Maio.

E no final da canção:

O que tragia pendom de cadarço
macar nom veo no mez de Março,
nom vem al Maio.
O que da guerra foy por recaùdo
macar em Burgos fez pintar escudo,
nom vem al Maio.

Indubitavelmente o codice madrileno provém de uma outra fonte, por que tem omissões e accrescentamentos, que o differenciam do Codice da Vaticana; mas a ordem das canções e os nomes dos trovadores, communs aos dois, provam-nos que ambos foram copiados de cancioneiros já organisados dos quaes um era já apographo. A circumstancia de começarem ambos pela trova de Fernão Gonçalves, e de se lêr no codice do Roma a nota: "Manca da fol. ij in fino a fol. 43" provam-nos que o original primitivo já andava truncado e é isto o que dá a mais alta importancia ao Indice de Colocci do Cancioneiro perdido que era a cópia mais antiga, por que o monumento diplomatico estava ainda completo. Monaci não desconheceu o valor das variantes do Cancioneirinho.

Depois de toda esta discussão sobre os diminutos vestigios que restam de alguns cancioneiros portuguezes dos seculos XIII e XIV, a aproximação de numerosos factos secundarios, e as inducções que se formam sobre elles, exigem uma recapitulação clara para que se possam tirar a limpo algumas conclusões geraes. Representamos os cancioneiros que são conhecidos por letras maiusculas, e aquelles cuja existencia se pode inferir pelas variantes são notados por letras minusculas; com estes signaes formaremos uma tentativa de filiação de todos esses cancioneiros em um schema, que poderá, ser modificado á medida que se descobrirem novos subsidios:

A.] O Livro das Cantigas do Conde de Barcellos, — citado no seu testamento, e deixado a Affonso XI, tambem trovador. Tendo em vista o genio compilador do Conde e o andar ligado ao seu Nobiliario o Codice da Ajuda, cancioneiro de varios auctores, pode-se inferir que o Livro das Cantigas não era exclusivamente do Conde, mas sim uma compilação sua. No Cancioneiro da Vaticana encontram-se canções do Conde, de Affonso XI e grupos de canções do Codice da Ajuda em numero de cincoenta e seis assignadas por fidalgos da côrte de D. Diniz.

B.] O Cancioneiro de D. Diniz (Livro das Trovas de Elrei Dom Diniz; existiu separado em volume pelo que se sabe pelo Catalogo dos Livros de Uso de el-rei Dom Duarte. Foi encorporado no codice da Vaticana depois da canção 79. B¹.] Outro, dos Freires de Christo de Thomar.

C.] O Cancioneiro da Ajuda, começa em folhas 41, a parte anterior está perdida e o final não chegou a ser terminado. Isto explica as pequenas relações com o Codice de Roma. — As 24 canções achadas na Bibliotheca de Evora e as guardas da encadernação do Nobiliario provam o muito que se perdeu d'este cancioneiro. Não se chegou a escrever a musica das canções, nem a inscrever-lhes os nomes dos auctores que as assignavam, e por isso conclue-se que não chegou a servir para a collecção de Roma, que é assignada. Não chegaram a entrar n'elle canções de el-rei D. Diniz, e portanto entre este e o Cancioneiro de Roma pode fixar-se a existencia de outro cancioneiro hoje desconhecido.

D.] O Cancioneiro de D. Mecia de Cisneros, grande volume de cantigas visto pelo Marquez de Santillana, que o descreve; já continha o cancioneiro de D. Diniz, e os trovadores do Codice de Roma citados pelo Marquez. Seria a primeira compilação geral, feita mesmo em Hespanha?

E.] O apographo de Colocci, perdido talvez pela occasião do saque de Roma em 1527, e do qual só se conserva o Indice dos Autores. Tinha intimas relações com o codice de D. Mecia. No principio apresentava varios lais no gosto bretão e pelos Nobiliarios, vemos que o Conde Dom Pedro se refere ás tradições bretãs, e tambem el-rei Dom Diniz. Seria esta parte assimilada do Livro das Cantigas do Conde de Barcellos?

F.] Cancioneiro da Vaticana, nº. 4803; este é menos completo do que o antecedente, o que prova que foi copiado de outra fonte. Colocci por sua letra o emendou pelo codice hoje perdido. Tem este cancioneiro 56 canções similhantes no Cancioneiro da Ajuda, com variantes notaveis, signal que ambos os Codices se derivam de duas fontes diversas. Tem uma parte relativa a successos da côrte de Dom Affonso IV, que provem de cancioneiros extranhos e posteriores ao Cancioneiro da Ajuda. A ordem dos trovadores não é a mesma do Indice de Colocci.

G.] Copia ms. de um Grande de Hespanha. — Em cincoenta canções reproduzidas por Varnhagem acham-se variantes fundamentaes com relações á lição do codice de Roma, signal de que a copia alludida provém de uma fonte extranha e de epoca differente.

Os cancioneiros desconhecidos, mas intermediarios aos supracitados são hypotheticamente:

a, b.] Cancioneiros anteriores ás collecções da côrte de D. Diniz, com que se formou e, d'onde se trasladou o Cancioneiro da Ajuda, como se justifica pelas variantes dos 56 canções reproduzidas no de Roma.

c.] Cancioneiro perdido, d'onde se não chegou a copiar nem a musica das canções nem o nome dos trovadores para o Cancioneiro da Ajuda.

d.] Cancioneiro onde se encorporaram o Livro das Cantigas e Cancioneiro de D. Diniz, o que justifica as differenças entre o Codice de Dona Mecia e o de Colocci.

e.] Cancioneiro perdido, cuja existencia se induz das variantes entre o Cancioneiro da Vaticana, o de Colocci e o do grande de Hespanha.

Eis por tanto a nossa tentativa de schema de filiação dos cancioneiros portuguezes dos seculos XIII e XIV:

         a     b
        \-------/
            c
            C    ABB¹
           \---------/
                D    d
                /---------\
                 E       e
                        \-/
                 G       F

É provavel que esta connexão ache contradictores, porém aí ficam todos os elementos que pudemos agrupar, para que outros estabeleçam uma filiação mais verosímil. Só depois de estudada a historia externa do Cancioneiro da Vaticana é que se pode entrar com desassombro no desenho da grande epoca litteraria que elle representa. Bem o desejaramos fazel-o diante dos que estudam as producções do fim da edade media, para reconstruirmos de novo o livro dos Trovadores galecio-portugueses, escripto antes da posse de tamanhas riquezas. Á medida que em Portugal fôr renascendo o amor pela tradição nacional, o nome de Ernesto Monaci figurará como de um benemerito, que restituiu a este paiz um dos mais bellos monumentos do seu passado historico.