Página:A Estrella do Sul.pdf/173

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
A ESTRELLA DO SUL

167


meavel, das juntas de bois e das diversas provisões, foram as cousas menos mal. O interesse commum ordenava que ellas fossem escolhidas com cuidado, James Hilton desempenhou-se do encargo perfeitamente. Mas já não acontecia o mesmo com as cousas que se deixavam á iniciativa individual de cada um, por exemplo a compra de um cavallo.

Cypriano já tinha descoberto na praça do mercado um potro muito bonito de tres annos, cheio de fogo, que lhe cediam por preço moderado ; já o tinha experimentado para cavallaria e como o achasse bem ensinado, preparava-se para satisfazer ao mercador a quantia pedida, quando Bardik o chamou de parte e lhe disse :

— Então que é isso, paesinho, vaes comprar esse cavallo ?

— De certo, Bardik! É o mais bonito que por tal preço tenho encontrado.

— Não devias pegar n'elle, ainda que t'o dessem de graça! respondeu o joven cafre. Esse cavallo não resistia oito dias na viagem pelo Transwaal!

— Que estás tu a dizer? replicou Cypriano. Metter-se-te-hia na cabeça fazer de adivinho commigo?

— Não, paesinho, mas Bardik conhece o deserto e aviso-te de que esse cavallo ainda não está salgado.

— Não está salgado? Então tu queres que eu compre um cavallo de salmoira?

— Não, paesinho, mas isto quer dizer que elle ainda não teve a doença do Veld. De modo que não tardará a tel-a, e, mesmo que não morra d'ella, fica-te inutilisado!

— Ah! exclamou Cypriano, maravilhado da advertencia que lhe fazia o servo. E em que consiste essa doença?

— É uma febre ardente acompanhada com tosse, respondeu Bardik. É indispesavel comprar só cavallos que já a tenham tido, — e é facil reconhecer isso pelo aspecto — porque, quan-