Página:A Guerra de Canudos.djvu/101

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
87
A Guerra de Canudos

Depois, tudo recahia na mesma immobilidade e tristeza.

Ali passámos a noite de 24, já próximo ao inimigo, em seus incontestados dominios, e, á luz das fogueiras, se commentavam os futuros successos, percebendo-se vagamente a serie de ruidosos combates, prestes a empenharem-se.

Então, o estado do pessoal era o mais animador possivel e as marchas não fatigavam mais os soldados, á ellas habituados pelas caminhadas em 70 leguas de sertão, entre matagaes e serranias, sobre atoleiros e charcos. As aguadas raream a proporção que a estrada encurta e o Vasa-Barris mostra o leito, secco e arenoso.

A's 10 horas da manhã de 25, a vanguarda moveu-se em direcção á fazenda de Cocoróbó, onde o general determinou que se acampasse: pouco depois o grosso da columna e a retaguarda, deixaram tambem o acampamento da Serra Vermelha. Cocoróbó fica a duas leguas de Canudos. Cortando a serrania, o rio cava profundo desfiladeiro, unica via de communicação. A fazenda fica no planalto, onde morre o desfiladeiro. Segue-se a estrada, denominada Passagem do Pinto, modificando-se o aspecto geral do terreno. A's margens da estrada, espessas matas virgens, ladeiam-n'a até Macambira,uma legua adeante, se prolongando, ora núa, ora