Página:A Guerra de Canudos.djvu/131

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
A Guerra de Canudos
113

capitão Benjamin, official de reconhecida competencia, tomou a iniciativa da acção, atacando o inimigo com forte linha de atiradores. O tenente-coronel Dantas Barreto, celeramente approximou-se ao local do combate, seguido do restante do 25.°, generalízando d'esse modo o fogo. Os fanaticos combatiam occultos em pedras e outros abrigos naturaes, sendo afinal batidos, depois d'uma hora de tiroteio, deixando 4 mortos e levando maior numero de feridos. O 25.° teve um morto e dois feridos.

Quando o fogo tornou-se mais intenso, o General S. Barbosa fez seguir uma divisão de artilharia, ás ordens do 1.° tenente J. B. Martins Pereira, afim de auxiliar o 25.° Aquella divisão não tendo conseguido seu objectivo, foi reforçada com outra, ambas formando bateria sob o commando do 1.° Tenente João Maria Xavier de Brito. A bateria cumpriu com galhardia o seu encargo, cooperando para o desbarato dos fanaticos.

Devido aos accidentes do combate, a força n'elle empenhada perdeu a formatura regular, e a marcha, como era natural, foi interrompida e depois proseguida, ao toque de avançar, tendo o 25.° ordenado suas fracções.

Pouco antes do Angico, o local do encontro, os expedicionarios iam observando quanto fôra penoso o desbarato da força do Coronel M.