Página:A Guerra de Canudos.djvu/137

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
A Guerra de Canudos
119

exhibiam completamente á nossa vista, a Nova particularmente, suas formidaveis parede-smuralhas, elevando aos ares as torres de construção simples, mas demonstrando grande resistencia aos nossos projectis, n'ellas batendo em cheio, sem lhes produzirem damnos, arrebentando e voando em estilhaços.

Lá estava collocada em plano inferior ás forças á cavalleiro, a temivel Cidadella, a lendaria capital dos jagfunços! A' nossa vista deslumbrada, surgia aquelle extraordinario amontoado de casas de varios feitios, de côr barrenta e avermelhada, n'uma caprichoza desordem; dominando aquellas 6.000 habitações de formas bizarras, erguiam-se, altaneiras e ameaçadoras, as duas egrejas vis-á-vis, a do Bom-Jesus, ou nóva, mostrando o flanco direito á 1.ª columna. Uma bella perspectiva offereciam ao longe, formando amphitheatro, dezenhados em arco de circulo, os perfis das serranias de Cocoróbo, mais afastada á esquerda a do Cambaio, a estrada de Uáuá e os montes de Canna Brava. A' cavalleiro do grande templo os outeiros da Favella, occupados pela Divisão Silva Barboza e de nós distantes 5.000 metros.

O Vasa-Barris, ou Irapiranga, completamente a secco, do local onde estavamos, muda bruscamente o leito para a esquerda, marginando o arraial, formando ao sopé do morro