Página:A Guerra de Canudos.djvu/143

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
125
A Guerra de Canudos

o encontro projectado das duas forças, não era mais possivel ser realisado como fôra combinado, o que á 28, foi corroborado pela renhida batalha generalisada com as forças do general Barbosa, atacadas pelo grosso do inimigo forte de 4 a 6.000 homens, sendo obrigadas a empenhar na acção todo o pessoal combatente e toda artilharia, 17 canhões !

E ha para toda força proxima a outra amiga, que é atacada; ha para todo soldado de honra, n'essas circumstancias, um brado iniludivel, á que todo o militar digno jamais deixará de attender, em se tratando da salvação dos seus irmãos d'armas, do mesmo Exercito: é a vóz do canhão, que o general Savaget ouvia desde o dia 27 e que o deveria induzir a pressuroso, ir ao encontro do seu chefe e leal camarada, o general Arthur Oscar, independente de convite, ou ordem deste.

D'esse solemne dever estaria inteirado o valoroso general; e, si á elle não obedeceu promptamente, sem duvida, motivos alheios á honradez, lealdade e espirito militar do pranteado chefe, assim fizeram-no proceder.

Uma verdcide irrefutavel é a que, ao receber a ordem para effectuar a marcha, o general Savaget a cumprio com a presteza e correcção inherentes ao seo modo de agir. Immediatamente, deu a ordem para que as forças prestes