Página:A Guerra de Canudos.djvu/160

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
140
A Guerra de Canudos

navam as forças. O general Savaget, extenuado e abatido pelo ferimento, recolheu-se á sua barraca, armada na esquerda, proximo de frondosa aroeira. A' sua direita, o coronel Telles se estabeleceu e na sua barraca refugiaram-se alguns feridos, tornando-se o centro de animado movimento.

A artilharia soffreu immensamente. O 5° regimento, ao mando do bravo major Luiz Barbedo, tomando pcsição no cimo da Favella, durante o bombardeio contra Canudos, foi o alvo da maior furia dos fanaticos. Desabrigado inteiramente, o regimento, bem como a bateria « tiro rápido, » soííreram um fogo horrivel, que atrozmente lhes dizimava as fileiras. Diversos dos seus officiaes foram feridos durante o bombardeio, que representava dignamente a valentia e virilidade do pessoal da 1ª columna. Tombou morto o capitão Nestor Villar B. Coitinho e foram feridos: o major Luiz Barbedo, o capitão Pereira de Mello, o 1° tenente Xavier de Brito, 2° dito Odilon Coriolano de Azevedo e outros officiaes. O 1° tenente Brito foi ferido, ao dar o ultimo tiro da ultima granada que sobrou ao regimento. Somente a bateria « tiro rápido » e o canhão 32, ainda possuíam pouca munição.

O velho e intemerato coronel Antonio Olympio da Silveira, commandante da brigada,