Página:A Guerra de Canudos.djvu/204

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
172
A Guerra de Canudos

multidão de esfomeados, offerecendo 20, 50 mil réis por um quarto de bóde 3 e 5 mil réis por lima espiga de milho!

Alguns não veadiam-n'os por preço algum: ali tinham companheiras e filhos, á quem cumpria salvar.

Aquella hora, ao crepusculo, quando a tristeza e a nostalgia dominavam, era quando taes scenas occorriam; muitos, que desde a manhã vagavam de batalhão em batalhão, á cata d'alguma migalha, nada encontrando, empregavam toda eloquência, exibiam toda argucia, offerecendo gorda pellega por um pedaço de cabrito, que o feliz possuidor não queria vender; outros, mais fracos, sentavam-se resignados em volta das barracas, cabeça entre mãos, indifferentes ás balas, n'um silvar impertinente, cavando sulcos proximos no terreno.

Na barraca do coronel Telles, havia sempre basto grupo de officiaes: lá havia uma sacca de sal, que o valorozo chefe destribuia á pedrinhas aos mais necessitados. D'uma feita, o alferes Andrade, quartel-mestre do 31° e com quem estava a tal sacca, nos deu uma colher do precioso condimento, que produzio milagres...

N'aquella barraca, onde o capitão Chachá Pereira convalescia de grave ferimento, costumava o general Arthur Oscar ir palestrar