Página:A Guerra de Canudos.djvu/206

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
174
A Guerra de Canudos

meira necessidade. Como em todas as grandes aggremiações, no Exercito havia especuladores aproveitando a nossa precaria condição, além de alvejados sem treguas, á espera d'um aniquilamento, supposto certo. Vampiros sugavamnos a bolsa e o dinheiro naquellas circumstancias, de nada valia, comprando-se uma espiga de milho por 2$000.

Pela tabella seguinte, póde-se avaliar do custo dos generos em Favella, comprados á vontade dos vendedores: uma rapadura 20$000; uma espiga de milho 5$000; uma chicara de farinha 5$000; um cabeça de frade 2$000; uma batata de imbú 2$000; um cigarro fuzileiro 1$000; uma colher de sal 5$000; uma pollegada de fumo 20$000; um beijú pequeno 5$000; uma calça lavada (sem sabão) 3$000 e assim o resto.

Depois, tudo acabou completamente; não vendiam mais sal, farinha, nem rapadura. O próprio gado e os cabritos iam escasseando pelas redondezas e os caçadores passavam além de Cócoíróbó e do Rosario, em procura d'alguma rez, com immensa canceira e grandes riscos. Soldados partiam para aquelle fim e eram debalde esperados; não voltavam mais, sendo de suppôr que morressem, baleados pelos jagunços, por sua vez caçando os nossos exploradores.