Página:A Guerra de Canudos.djvu/232

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
196
A Guerra de Canudos

O pequeno esquadrão de lanceiros, com os alferes Pacheco, Villalba e Syllos e o sargento Freitas Teixeira, deu uma brilhante carga na extrema direita, destruindo á ponta de lança numerozo grupo de jagunços, que se dispunha a envolver-nos d'aquelle lado; a artilharia, ligando os armões, acompanhou a violenta carga. Nada mais poude deter o impeto do ataque; debalde os fanaticos, enfurecidos, duplicavam a intensidade do fogo; era tarde. Os batalhões no ardor de avançada, fragmentaram-se em companhias e estas em pelotões, iam varejando as casas e á bala e baioneta destruiam a resistencia, impavidos, affrontando os fogos cruzados.

A 4.ª brigada ao penetrar n'um valle, onde carregou, bateu uns 200 jagunços ali emboscados e que recuaram, acossados pelos bravos soldados do coronel Telles e foram obrigados a procurar a salvação nas casas mais distantes. Foi então morto o alferes A. Wanderley e gravemente ferido o 1.° tenente Bernardino do Amaral; a brigada proseguiu na sua invencivel róta, superando todos os obstaculos que enfrentava.

Os conselheiristas vendo-se envolvidos, foram recuando e se congregando nas igrejas e na parte mais densa e forte da Cidadella, não, cessando, entretanto, as hostilidades, mas ati-