Página:A Guerra de Canudos.djvu/261

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
223
A Guerra de Canudos

correspondendo ás aggressões do inimigo, tambem abrigado em casas a pequena distancia.

Pela manhã de 19 a força occupante recebeu o reforço de 2 canhões Krupp 7 ½ sob o commando do 2° tenente Manoel Félix de Menezes e alferes Hildebrando de Bonoso; o primeiro d'esses officiaes assumiu o commando da 4ª bateria composta de 4 canhões e ficou á retaguarda, de promptidão, ás ordens do general Barbosa, próximo ao seu Quartel-General. Com a bateria seguiu uma força de infantaria. Ainda no mesmo dia 19, cbegava ao arraial a 7ª brigada, composta dos batalhões 33° e 34°, sendo o seu commandante, o coronel Antonino Nery, ferido.

Ao alferes Bonoso foi determinado collocar seu canhão na extrema direita, o que realisou. Desde então ficavam em bateria, na segunda linha, 3 canhões.

Ainda no dia 19 occorreu a morte do tenente da ala de cavallaria Thomaz Braga, victimado por uma bala, na occasião em que auxiliava o 2° tenente Fructuoso, voluntariamente, no bombardeio. Esse dedicado e infeliz official escapará da morte no dia anterior, indo afinal buscal-a n'um serviço para o qual sentia-se com grande inclinação, si bem que para elle não fosse designado.