Página:A Guerra de Canudos.djvu/265

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
227
A Guerra de Canudos

a attenção dos soldados a gritaria descompassada das creanças, chorando. Pouco depois os fanaticos engajaram violenta fuzilaria contra as trincheiras, que atacaram com vigor. Os piquetes sustentaram o fogo com energia, secundado pela artilharia, aproveitando a occasiâo para produzir sensiveis estragos. Os fanaticos, ainda uma vez batidos e obrigados á volverem aos seus antros, moderaram o fogo, sustentado entretanto, até á noite.

No dia 24, entre 7 e 8 horas da manhã, depois de inteira calma, manifestou-se na direita, na direcção do Quartel-General, uma fuzilaria tenazmente mantida. Os jagunços com habilidade e n'um rasgo de audacia, atacaram o ponto, talvez mais vulnerável das nossas pozições, ao passo que tambem mantinham o fogo fortemente sobre toda linha-negra.

Conforme costumavam, os fanaticos nessas investidas desenvolveram a maior impetuozidade. Naquella occasião arrojaram-se intrepidamente sobre o canhão da extrema direita, que pretendiam assaltar, para depois continuarem o ataque sobre os dois restantes e, em seguida, tambem assaltarem a linha-negra pela retaguarda, collocando-a entre dois fógos. Desse modo, a situação tornar-se-hia gravissima, obrigando todas as forças a empenharemse na acção.