Página:A Guerra de Canudos.djvu/273

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
235
A Guerra de Canudos

Por grandes soffrimentos passaram quasi todos elles. N'uni deserto esteril e assolado pela secca, a athmosphera d'uma calidez asphixiante; a agua em pequenas lagôas estagnadas e em via de putrefacção, de côr esverdeada, com caaáveres de animaes e só encontrada de leguas em leguas, não podia desalterar quem se arrastava minado pela sêde produzida pela febre entre os feridos, vencendo a longa estrada, aqui areienta, ali pedregosa, galgando serras, esgueirando entre espinhos.

N'aquella dura travessia, houve quem não supportasse mais o cansaço, a fome e a sêde e a beira da estrada, a mingua morressse, coma o tenente Annibal e o alferes Custodio de S. Lima, á vista dos camaradas, como elles famintos, impotentes para soccorrerem-n'os. Outros, nas rêdes em que eram conduzidos morriam e ali mesmo eram sepultados, ou depositados insepultos. Mais d'um, voluntariamente atirouse á sombra d'algum cardo e deixouse finar, na allucinação da febre e da sêde, transformado em esqueleto ambulante.

Tambem o 27° e o esquadrão passaram pelas mesmas privações, no seu espinhozo encargo de conduzirem os feridos. Todos seguiam apenas com as magras rações para três dias e que mal dariam para um. Todos curtiram os mesmos males, as mesmas mizerias n'aquella