Página:A Guerra de Canudos.djvu/284

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
246
A Guerra de Canudos

Cunha, assumio-lhe o commando o major Henrique de Magalhães, por sua vez substituído no do 24° pelo distincto capitão Tito Pedro Escobar. Depois de grandes peripecias, seguiu de Queimadas, acompanhado de 200 cargueiros, de viveres, forragens e munições. A' marcha até Monte Santo, foi grandemente embaraçosa. Os soldados, ainda sem pratica e na mór parte bizonhos, muito soffriam das asperezas do terreno naquella zona sáfara e inculta.

A' 8 de Agosto, a brigada encetou a marcha definitiva para Canudos. Aggregaram-se-lhe muitos officiaes dos corpos em operações, entre elles alguns quarteis-mestres, que foram á Villa se prover de generos, por concessão do Commando em chefe.

Levavam muitos cargueiros, conduzindo pela primeira vez artigos de longos mezes desconhecidos pelos combatentes. Mesmo doces em conserva, charutos, vinhos finos levavam, aproveitando a protecção dos valentes, camaradas da brigada.

Esta, em Aracaty recebeu mais 400 bois, que foram incorporados aos já conduzidos. Em Jueté encontrou o 15° batalhão, sob o commando do bravo e activo capitão Gomes Carneiro, que, tendo ido até ali para levar outro comboio de feridos,regressou com a brigada,fazendo-lhe retaguarda. A' 14 acampou nas Baixas; a 15