Página:A Guerra de Canudos.djvu/298

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
256
A Guerra de Canudos

guma abundancia, ora tudo faltando. Mesma assim, chegavam comboios mais á miudo, trazendo entretanto, tão pequena quantidade de generos, que o depozito do Quartel-Mestre-General estava sempre vazio. Era sempre de tarde que elles chegavam; appareciam primeiro numa volta da estrada, em direcção a Favella. Eram saudados pelos soldados, que em regosijo, tiroteiavam de seus postos da linha, sendo condignamente respondidos pelo inimigo atirando furiozo no comboio, que, de ordinario regressava com um ou mais conductores de menos, mortos ou feridos pelos fanaticos emboscados na "Fazenda Velha".



O tempo corria magnifico. A athmosphera d'uma pureza e limpidez fóra do commum, deixava coar, forte e brilhante a luz solar, cuja diaphaneidade fazia ao longe destacar o immenso amphitheatro, produzido pelas montanhas e serranias alterosas, bordando o horizonte em circulo. Si os dias eram, de costume, extremamente calidos, assim não eram as noites, frescas e agradaveis, mercê da viração suave que então soprava, refrigerando-nos da ardentia do dia, calmando-nos da excitação do combate.

Todas as manhãs, rompendo o dia, um dos canhões no arraial alarmava os fanaticos, com um disparo sobre algum dos seus pontos.