Página:A Guerra de Canudos.djvu/31

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
23
A Guerra de Canudos

Em Monte Santo, deixou o coronel Souza Menezes com 80 praças e 400 mil cartuchos. N'essa localidade, prendeu um jagunço, a quem soltou pouco depois, levando-o como guia ; esse homem fugiu e foi esperar o coronel n'uma emboscada, na estrada.

A expedição, já no Rancho do Vigário, passou a noite de 2 para 3 de Março, para a 4 levar o ataque ao arraial. A 3, depois de pequeno tiroteio, que afugentou pequeno grupo de jagunços, o Coronel, que durante a marcha fora presa de dois accessos de epilepsia, n'um estado de grande agitação, reuniu a officialidade e convidou-a para no mesmo dia levarem o assalto ás posições inimigas ; a proposta foi aceita e corroborada por vivas e ruidosas mostras de enthusiasmo. E a força estava estropeada, necessitando de descanço.

Partiram ; e á tarde, occupando a Fazenda Velha, d'onde a artilharia bombardeou o povoado, o coronel Cesar ordenou o ataque, executado com vigor. As forças penetraram n'uma pequena área do arraial; mas tiveram de retroceder, hostilizadas horrivelmente, sendo afinal dizimadas e desbaratadas.

O coronel, gravemente ferido, falleceu durante a noite, pedindo com insistencia ao major Cunha Mattos, depositario da maior somma da sua confiança, que renovasse o combate. Agoni-