Página:A Guerra de Canudos.djvu/354

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
298
A Guerra de Canudos

ximo das ruinas da igreja-velha, incendiada n'um d'aquelles dias pelo alferes Lopes da Costa e d'onde o inimigo não hostilizava mais os piquetes.

O entrincheiramento da grande linha se prolongava sem interrupção e inexpugnavel por mais de um kilometro. Onde terminava na direita, começava outra linha em prolongamento, menos fortificada e constituída pelos batalhões 12° e 31° ; a direita d'este a ala esquerda do 24°, em seguida o 38°, batalhão do Amazonas, ala da policia de S. Paulo, 32° batalhão, cuja direita appoiava na esquerda do 22°, 9°, 37°, policia do Pará, forças da Fazenda Velha e finalmente o 26° e o 5° de policia, unindose na direita á linha negra. Era essa a disposição das forças sitiantes. Toda margem direita do Vaza-Barris estava em nosso poder e d'ali os batalhões dominavam com seus fógos o arraial, divisando todos o seus recantos.



Com mais attenção poude ser observado e estudado o curioso facto do arrebentamento dos projectis de infantaria, dos systemas "Mannlicher" e Mauser,"da nossa parte e da dos jagunços. Desde o inicio das operações, eram constatados nos feridos horriveis deformações, longas estrias nos tecidos, cartilagens e ossos