Página:A Guerra de Canudos.djvu/362

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
304
A Guerra de Canudos

O 38°, ao mando do intrépido capitão Affonso Pinto de Oliveira, secundou o movimento, carregando tambem e envolvendo os jagunços. Outros corpos, como o 22°, a ala da policia paulista, que estavam proximos do local do combate, por iniciativa dos seus commandantes tomaram parte na acção, generalizada finalmente. N'aquelles pontos, vasta área do arraial ardia em fogo e na geral investida a matança foi enorme.

Os fanaticos encerrados num circulo de fogo, resistiam desesperadamente, fazendo por fim os batalhões atacantes deterem-se em sua marcha victoriosa, indo até aos pontos onde foi estrictamente possivel chegarem. O inimigo fez-se forte em torno da igreja, no Santuario, latada e na grande e compacta agglomeração de casas fortificadas n'aquellas immediações.

Durante a carga e forte tiroteio, as forças, á proporção que occupavam terreno para frente faziam arder as habitações que iam conquistando. Espessas labaredas e grossas columnas de fumaça dum grande incêndio, indicavam sua passagem naquella direcção. Os fanaticos, aos milhares, indistinctamente agitavam-se em desordem, concentrando-se.

Os batalhões da linha-negra, durante a renhida acção, prolongada até á tarde, manti-