Página:A Guerra de Canudos.djvu/38

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
30
A Guerra de Canudos

até a ultima na defesa do Bom Jesus Conselheiro, qualificativo já propagado em toda aquella região.

Insinuante e intelligente ; exhibindo uma brandura, que mais tarde desmentiu ; Maciel tornou-se afinal o idolo daquella grande população e sua effigie occupava saliente lugar nos amuletos, ao par do Christo e dos Santos do Romanismo. Um fio da sua barba, um fragmento de unha, possuiam extraordinarias virtudes contra varios males...

Só em uma localidade foi elle mal succedido em suas prédicas. De Coité, logarejo nos limites de Sergipe e Bahia, foi expulso pelo povo indignado. Maciel ás pressas retirou-se, deixando no local as alpargatas, ameaçando ir buscal-as mais tarde.

No sertão Oeste da Bahia, foi onde o Conselheiro mais enraizou-se. Naquella zona, seu prestigio era incalculavel. Em Geremoabo, Massacará, Cumbe, Bom Conselho, Monte Santo e Queimadas fez prédicas e reuniu bandos de fieis. Tambem por Capim-Grosso, Chorrochó, Varzea da Ema, Uáuá e Patamuté, elle andou e deixou traços indeleveis da sua influencia poderosa.

Para onde estivesse, affiuiam de pontos longiquos centenares de infelizes, sequiosos da sua palavra santa, avidas de conselhos que