Página:A Guerra de Canudos.djvu/387

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
A Guerra de Canudos
325

ameaçavam-n'os de geral matança, entre espirituosos dichótes. Os fanaticos, vigilantes e tudo percebendo, em resposta e n'um tom de odio concentrado, de seus fóssos, parapeitos e setteiras nas casas, diziam estarem promptos para receberem-n'os á facão. E assim escoou-se a noite de 30 de Setembro.


Rompeu o dia 1°. de Outubro, claro e brilhante, tendo desaparecido a espessa bruma que durante a noite cobria a vasta zona do arraial. Aos primeiros clarões da manhã notava-se geral reboliço e pouco depois partiu da Fazenda Velha, onde installara-se o Commando em Chefe o toque-Artilharia-fogo.

No mesmo instante, d'aquelle ponto começou o bombardeio sobre a área assediada. Os 2os tenentes Manoel Felix e Fructuoso Mendes e o alferes Macedo Soares, por sua vez, puzeram em acção sua artilharia, sendo que o ultimo, tendo seu canhão alinhado pela mira das carabinas nas trincheiras, só atirava com lanterneta, visto estar á queima-roupa do inimigo, 30 metros distante.

O fogo,não tão vigoroso como devia, excepto o do ultimo canhão citado, devido ás posições dos nossos batalhões, no mesmo plano em que o inimigo, mesmo assim produzia grandes estra-