Página:A Guerra de Canudos.djvu/396

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
332
A Guerra de Canudos

forçados com parte do 22,° fizessem nóva investida, ainda uma vez sob o commando do coronel Sampaio, que, devido ao seu arrojo, bastante fizera periclitar a existencia no assalto anterior. Os dois primeiros d'esses corpos, reforçados com o 38,° atacaram pela esquerda e os ultimos pela retaguarda e flanco direito, por onde investira a 6ª brigada.

E, o assalto foi executado com a mesma impetuosidade, com o mesmo arrojo que o primeiro: os batalhões atiravam-se ousadamente e com intrepidez, á bayoneta, sobre os baluartes do inimigo, e, desses partiam descargas tão seguidas e mortiferas, que as forças tendo investido varias vezes, não conseguiram romper mais um passo além do que fizeram as do primeiro ataque. O 34° teve duas companhias dizimadas e os demais corpos soffreram tambem perdas regulares, As scenas de lucta corporal e á arma branca foram repetidas na mesma frequencia, cahindo soldados e fanaticos á golpes de bayoneta, facão e machado, innundando de sangue o interior das casas varejadas, onde ninguem ficava com a vida.

Quando no primeiro ataque a 3ª brigada carregou, o 38,° avançando, occupou e garantiu o terreno por ella atravessado. O 16° sob o commando do major Airstides Vaz substituiu