Página:A Guerra de Canudos.djvu/417

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
349
A Guerra de Canudos

Pelas 4 horas da tarde, ordenados os corpos provindos do ataque, e reforçada a linha de sitio com outros, começou o levantamento de novas trincheiras em todo o circuito da zona assediada, sob a direcção do tenente-coronel Siqueira Menezes. Essa linha fortificada, além da protecção que trazia aos atiradores, obstava que o inimigo, no auge do desespero, tentasse alg uma sortida. Para a confecção dos parapeitos foram destruidas centenas de casas, cujo madeiramento em pouco constituia solida fortificação, entrelaçada e espessa, em torno dos fanaticos presos irremediavelmente.

Foram abertas milhares de setteiras, de onde os soldados, de pé e completamente abrigados, atiravam. A igreja por si constituia forte baluarte, d'onde os atiradores do 4°. e outros corpos, com seus fuzis, dominavam muitos pontos. Nas suas dependencias abrigavam-se centenas de soldados. Em seguida ao templo, á sua esquerda, enfrentando a antiga latada, até o angulo formado pela casa de J. Abbade, existia um claro na fortificação, occupado pelo 29° que lhe fazia a guarnição a descoberto, exposto aos fógos inimigos.

Esse claro foi, ao escurecer, fortificado por determinação do coronel J. Cesar Sampaio, incumbido pelo General em Chefe do commando