Página:A Guerra de Canudos.djvu/425

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
357
A Guerra de Canudos

vislumbre de desanimo. Ainda depositavam alguma esperança no imprevisto e, no meio da crepitação do incendio e do estalar da fuzilaria, com selvagem energia protestavam morrer de armas na mão, mas se entregarem, nunca!

Conseguiram, comtudo, abafar o fogo em muitas casas. Em outras era propagado e os sitiantes nesse fim empenhavam-se. Desse modo o incendio continuava lastrando em todos os pontos e de vez em quando abatia-se uma habitação, fornecendo-lhe mais material.

O tiroteio das setteiras era incessante sobre todos os lugares onde descobriam inimigo. O canhão continuava metralhando, com grandes damnos, fazendo ruir muitas casas, esmagando os occupantes.

O grande alpendre coberto de couros de boi, que servia de hospital e estava repleto de feridos, foi descoberto. Pela sua situação especial, entranhado no reducto central, fôra até então poupado; mas uma vez sob as vistas dos sitiantes, para elle tambem encaminhou-se a destruição. Foi attingido pelo fogo e ardia com estrepito, despedindo chammas alterosas entre negra fumaça. Os poucos fanaticos que d'ali podiam se escapar, o fizeram; os demais, além de uma centena, presas de horriveis ferimentos,