Página:A Guerra de Canudos.djvu/426

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
358
A Guerra de Canudos

foram victimados e em poucas horas nem mais um delles existia.

A' tantos descalabros juntou-se a sede, bem como a fôme, atormentando-os. A pouca agua que havia, consumiam-n'a rapidamente, ou seccava sob a acção do calor. Só existia alguma sufficiente para os que combatiam e os outros começavam a esperimentar indefiniveis torturas. Algumas infelizes, ao pedirem agua, em altos gritos, eram assassinadas pelos ferozes Conselheiristas!

A' noite o espectaculo era de molde á produzir extranhas sensações entre os observadores daquellas scenas inolvidáveis. As labaredas, devido ao vento tomavam novo incremento e a sua luz forte, viam-se homens de armas em punho, apontando-as para as trincheiras; outros, arrastando-se com esforço em busca d'um abrigo, onde se livrassem do intenso calôr.

A' borda das extensas vallas, onde estava a maioria dos combatentes, cabeças se agitavam e braços amparavam bacamartes, despedindo tiros estrondosos.

Grupos no auge na furia e do desespero, investiam ás trincheiras, como para romperem-n'as; mas encontravam a morte inevitavel; ao amanhecer, junto á ellas, viam-se-lhes os cadaveres. Para os lados da policia do Amazonas