Página:A Guerra de Canudos.djvu/434

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
366
A Guerra de Canudos

chefe estava visivelmente fatigado, e como elle, ninguem ainda dormira desde alguns dias.

Conforme já consignámos, o general Silva Barboza instalára-se na posição commandada pelo 2°. tenente Fructuoso e d'ali tudo abrangia em ponto dominante. Ao terminar o praso concedido ao inimigo para rendição, mandou dar um tiro de polvora secca, seguido d'outro; da "Fazenda-Velha" egualmente partiram outros dois tiros de intimação, á que os fanaticos responderam, recolhendo-se aos abrigos.

Das trincheiras bradavam aos retardatarios que se apressassem,que se retirassem d'ali, pois ia começar um fogo horroroso. Os que attendiam, seguiam com todo vagar, cabisbaixos, acabrunhados e estalando de sêde, alguns cahindo para nunca mais se reerguerem.

Afinal, partiu d'onde estava o general Barboza, um tiro de granada em cheio sobre o ponto central; os jaguuços, d'elle corresponceram com aturado tiroteio, energicamente respondido em todo o circuito das linhas e o canhão despejou suas lanternetas para varias direcções. Nessa occasião ainda succumbiram alguns infelises, varados pelas balas e victimas da propria fraquesa, que impedia-lhes andarem com maior prestesa. O tiroteio continuou