Página:A Guerra de Canudos.djvu/436

Wikisource, a biblioteca livre
Saltar para a navegação Saltar para a pesquisa
368
A Guerra de Canudos

mas nos seus olhares de nostalgicos, perpassava um reflexo da insana energia que os caracterisava. Poucos d'elles fallavam e outros olhavam-nos com mais humildade e resignação. Mergulhavam a cabeça entre as mãos, soluçando com desespero. Já haviam de todo perdido a esperança no Bom-Jesus e viam a realidade bem diversa da com que sonhavam; seu querido Bello-Monte, quasi arrasado, queimando-se lentamente e todos, descricionariamente á mercê do inimigo, a que tanto odiavam.

Entre elles, alguns de mais aguçado entendimento, procuravam se justificar da obcecação que os arrastara a abandonarem os láres e commodidades, como os interesses, para confiarem no Conselheiro. Diversos, manifestaram desejo de verificarem praça no Exercito e com uma vida futuramente trabalhosa e obediente, espiarem os erros anteriores. Mas a grande massa, a dos puros fanaticos, parecia conformada com a sórte, fosse a peior e não se queixava, nem indagava qual seria o seu destino.

Tambem, qual d'entre elles não teria o espirito profundamente abalado, as faculdades totalmente golpeadas por tâo longa e triste seria de extraordinarios descalabros e dissabores na vida, d'antes tâo pacifica e patriarchal?